Rede aleluia
Como saber se você ronca?
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
GaranhunsRecife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCaraguatatubaCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
Baln. CamboriúBlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 14 de Agosto de 2022 - 00:05


Como saber se você ronca?

Problema que atinge milhares de brasileiros pode estar relacionado a doenças cardiovasculares, à obesidade e ao avanço da idade

Como saber se você ronca?

Roncar incomoda bastante a quem ouve o som, ao qual muitos se referem como algo similar a um serrote cortando madeira de forma constante. O problema atinge milhares de pessoas no Brasil, de acordo com a Associação Brasileira do Sono (ABS): 24% dos homens de meia-idade roncam e, entre as mulheres, a porcentagem chega a 18%. Se considerarmos quem tem mais de 60 anos, os índices sobem mais ainda: 60% dos homens e 40% das mulheres.

Segundo Danilo Anunciatto Sguillar, médico otorrinolaringologista e coordenador do Departamento de Medicina do Sono da Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facial (ABORL-CCF), quanto mais envelhecemos, maiores são as chances de roncar. “Isso ocorre pelo relaxamento da musculatura do pescoço e alterações hormonais, dentre outros fatores. Os homens tendem a roncar mais do que as mulheres, pois a faringe deles é maior. Já as mulheres passam a roncar mais depois da menopausa, na fase do climatério, por causa da redução de hormônios como o estrógeno e a progesterona”, afirma.

As crianças também roncam: “isso acontece muito em função do aumento de tecidos moles como as amígdalas e a adenoide (órgãos que atuam contra infecções), que podem aumentar de forma desproporcional e desencadear os roncos. As rinites e sinusites também aumentam a resistência à passagem de ar pelo nariz de forma satisfatória, fazendo com que a pessoa tenha mais chance de estreitamento da musculatura do pescoço. O ronco também ocorre quando dormimos com o nariz congestionado: a boca fica aberta e essa rotação da mandíbula pode estreitar a faringe”, esclarece.

A existência do ronco também pode significar doenças graves, como a apneia obstrutiva do sono, quando a respiração para e volta várias vezes durante o sono. “Ela pode gerar graves consequências cardiovasculares, como infarto agudo do miocárdio, arritmia, derrame e hipertensão arterial de difícil controle. O tratamento padrão é com o CPAP, pequeno aparelho compressor com uma máscara, que é colocada na região do nariz para manter aberta a via aérea do paciente. Também podem ser receitados exercícios musculares, cirurgias do nariz, da garganta, do esqueleto facial e bariátricas”, diz.

Ele alerta ainda que pessoas com sonolência excessiva diurna, alterações de concentração, memória e humor (veja mais dados ao lado) também devem buscar ajuda para investigar a qualidade do sono.

“Procure auxílio especializado imediatamente. Esta é uma doença que tem cura e, quando sanada, evita que o paciente desenvolva sérias doenças cardiovasculares que podem levar a graves prejuízos à saúde. A prevenção é o melhor remédio”, conclui.


Como saber se você ronca?
  • Eduardo Prestes / Arte: Edi Edson 


reportar erro