Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 18 de março de 2018 - 03:05


Como o amor-próprio pode transformar a vida amorosa

Cibele e André não sabiam o verdadeiro sentido da valorização pessoal. Entenda o que aconteceu para que eles mudassem e conquistassem a felicidade

A vida amorosa de Cibele Cristina Lopes, de 32 anos, segurança, foi marcada por muita dor, abusos e sofrimento. “Meus relacionamentos eram fracassados. Me recordo de um namoro em que era constantemente humilhada e, quanto mais para baixo ficava, mais corria atrás dele. Me deixava ser usada”, conta.

Por acreditar que nunca conseguiria ser feliz no amor e por medo de ficar sozinha, Cibele insistia naquele relacionamento. “A verdade é que eu me torturava. Só depois entendi que aceitava qualquer tipo de relacionamento porque tinha muitos traumas dos abusos sofridos na infância. No entanto, depois que aceitei um convite especial tudo mudou”, revela.

Em 2013, uma obreira da Universal a convidou para ir a uma reunião. Desde então, Cibele passou a frequentar as palestras, entre elas a Terapia do Amor. “Foi a melhor escolha que fiz. Terminei aquela relação abusiva, me libertei das marcas do passado e o melhor de tudo é que aprendi qual é o meu valor como mulher e o que é aceitável e inaceitável em um relacionamento”, relata.

O verdadeiro amor

Na virada de 2016 para 2017 Cibele conheceu André Luiz Lopes Tenório Bezerra, de 34 anos, soldador, que também participava da Terapia do Amor. “Eu já participava das palestras há dois anos quando a conheci. Estava trabalhando para melhorar como pessoa e ser a pessoa adequada para a minha futura esposa. Começamos a conversar e vimos que tínhamos os mesmos objetivos e então a pedi em namoro”, diz.

Oito meses depois, eles decidiram dar mais um passo. “Nos casamos na Terapia do Amor da Universal de Bauru, no interior paulista. Reunimos nossos familiares e, sobretudo, apresentamos nossa união para o Autor do amor no lugar que nos conhecemos”, conta André.

Hoje, com sete meses de casados, eles contam que a fase de adaptação tem sido leve, graças às palestras e ao curso Casamento Blindado. “Não faltamos nenhuma quinta-feira porque não queremos ter que errar um com o outro para aprender. Por meio das palestras, temos o privilégio de ter todas as ferramentas para vencer qualquer dificuldade e ter um casamento abençoado”, completa Cibele.

Vida amorosa

Para saber mais como resolver os problemas da vida amorosa, participe das palestras da Terapia do Amor, todas às quintas-feiras, em uma Universal mais próxima de você. A cada palestra, casais, noivos, namorados e solteiros aprendem sobre o amor inteligente e como desenvolver o relacionamento a dois.


  • Por Ana Carolina Cury/ Fotos: Cedidas  


reportar erro