Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 22 de março de 2018 - 03:00


Como não ser vítima de “Fake News”

Filme Nada a Perder, que será lançado na próxima quinta-feira, dia 29 de março, mostra como notícias falsas podem prejudicar as pessoas

“Fake news”. Essa foi a palavra do ano de 2017, eleita pelo dicionário britânico Collins, um dos mais importantes e respeitados do mundo. De acordo com os organizadores do dicionário, o uso do termo “fake news” cresceu 365% apenas no último ano, resultado do tanto de mentiras disseminadas pelas redes sociais.

Em tradução literal, a expressão significa “notícia falsa”. Ela se refere a reportagens mentirosas criadas com exclusiva intenção de prejudicar uma pessoa ou uma instituição. Geralmente, essas pseudonotícias são espalhadas via redes sociais e as pessoas compartilham sem nem sequer ler ou checar se a informação é verdadeira.

Embora o termo tenha ganhado destaque em 2017, o hábito de criar notícias falsas e sensacionalistas é antigo. Muitas pessoas – e mesmo veículos de comunicação consolidados – costumam atacar aqueles que os contrariam. Foi o que aconteceu, por exemplo, em 1992, quando o bispo Edir Macedo, fundador e líder da Universal, foi caluniado de tal maneira que a Justiça chegou a prendê-lo, por pressão dos caluniadores.

O bispo era acusado via fake news por charlatanismo, curandeirismo e estelionato. Acusações tão infundadas que 11 dias depois foi solto e logo inocentado na Justiça.

Os ataques, porém, não pararam. Acompanhe na reportagem abaixo um pouco mais sobre o assunto:

Ainda hoje a Universal é vítima de ataques movidos pelo ódio religioso. Por isso, foi criado o blog “Mitos e Verdades”. Nele, todas as fake news são devidamente esclarecidas. Clique aqui e conheça-o.


  • Por Andre Batista / Imagens: Universal 


reportar erro