Rede aleluia
Como não cair nas mentiras da internet?
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
GaranhunsRecife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCaraguatatubaCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
Baln. CamboriúBlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 10 de Agosto de 2021 - 10:39


Como não cair nas mentiras da internet?

Hoje qualquer pessoa publica o que quiser na rede. Por isso, é importante ter senso crítico para não ser vítima de enganos seguindo falsos exemplos de terapias “milagrosas” e outras “vitórias”

Como não cair nas mentiras da internet?

Quase todo mundo diz o que quer na internet, principalmente nas redes sociais. Por mais que essas plataformas tentem barrar conteúdo falso ou postado de má-fé, alguém sempre rompe a barreira da verdade e engana o internauta, o que o leva a prejuízos financeiros, psicológicos e até na saúde.

Nas redes sociais uma pessoa pode se apresentar como quiser. Muitos mal-intencionados se aproveitam disso para vender “segredos” para você ficar rico, alavancar a carreira e outras ilusões, inclusive terapias e remédios “milagrosos”, como foi o caso da australiana Isabelle “Belle” Gibson, que em 2013 divulgou, principalmente no Instagram, ter curado um câncer cerebral inoperável ao deixar de lado a quimioterapia e aderir a uma dieta de alimentos naturais integrais.

Mas Belle não queria ser apenas uma celebridade instantânea. Ela ganhou muito dinheiro ao publicar livros sobre a suposta cura natural, conquistou a atenção de editoras de renome mundial com as quais assinou contratos, lançou um aplicativo sobre o assunto e figurou em muitas matérias mídia afora, ganhando ainda mais publicidade.

Especula-se que ela tenha ganhado mais de US$ 500 mil.

Porém, como disse o Senhor Jesus em Lucas 12.2, “nada há encoberto que não haja de ser descoberto; nem oculto, que não haja de ser sabido” e, por volta de 2015, Belle começou a ser desmascarada por veículos de imprensa australianos, que desconfiaram de seus “milagres”.

Uma mentira puxa outras
Belle também dizia doar uma boa parcela de seus lucros a instituições de caridade, mas nunca fez isso e foi a partir dessa descoberta que os repórteres a desmascararam em outras mentiras. Eles sempre pediam a ela exames anteriores que confirmassem o câncer, além do contato dos médicos que a trataram, mas ela sempre desconversava. As autoridades começaram a agir, ela não aguentou a pressão e confessou a fraude.

Entretanto, até que a verdade viesse à tona, a imprensa de vários países já tinha mostrado vários doentes de câncer e outros males que deixaram o tratamento médico para aderir à dieta de Belle, que sempre aparecia sorridente e cercada de luxo em seus posts. Com isso, o quadro de saúde dos enganados piorou, obviamente.

Ela foi processada pela Justiça australiana e teve seus bens confiscados. Em 2020, Belle finalmente veio a público em um programa australiano de TV e declarou abertamente que nunca teve câncer e que inventou outros problemas para tentar comover o público, como tumores em outros órgãos, que também alegara “curar” com a dieta integral, e até mesmo um inexistente irmão autista. Ela confessou que estava falida e que desejava nunca ter mentido, pois as consequências de suas mentiras são “insuperáveis”.

Como Belle, muitos charlatães criam histórias convincentes, geralmente apelando para as emoções do público e se mostrando como vencedores de problemas pelos quais muitas pessoas passam. Também não são poucos os que incentivam exercícios físicos e dietas sem terem formação em educação física, medicina ou nutrição. Além disso, muitas propagandas na TV e na internet apresentam remédios e dispositivos “milagrosos” e “ofertas” atraentes.

A armadilha das emoções
Se as autoridades não conseguem frear tanta falsidade, cabe a cada um ter senso crítico antes de ceder às emoções, principalmente em momentos de fragilidade, como duramte as enfermidades, como recomenda o psicólogo clínico Fábio Guedes, de São Paulo: “acreditar ou não em uma mentira depende muito da ocasião que ela é contada e quem a emite. Há muitas vezes a predisposição de acreditarmos que sempre existe um caminho mais fácil e a insistência de não acreditarmos em posições contrárias às nossas”.

Guedes recomenda checar se há evidências científicas e se os autores dos posts e propagandas são mesmo qualificados para fazer suas afirmações. Não adianta só acreditar no que eles dizem nas redes sociais.

Para ele, o caso Belle serve de alerta: “quando se trata de curas, é ainda mais importante investigar e se pautar sempre na ciência e em veículos de informação sérios, que certificam suas fontes e constroem uma linha de veracidade com os fatos.” Vale também checar se quem se diz médico realmente é um, além de procurar a opinião de outros profissionais no mesmo assunto, algo relativamente fácil na internet. Nessa hora, é importante não ceder à preguiça de pesquisar.


Como não cair nas mentiras da internet?
  • Marcelo Rangel/ Foto: Getty images 


reportar erro