Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 9 de setembro de 2019 - 13:30


Como liquidar suas dívidas?

Disciplina e organização podem ajudar a resolver esse problema

Sete entre dez brasileiros têm a renda mensal comprometida por dívidas. É o que apontou uma pesquisa divulgada recentemente pelo serviço de proteção de crédito Boa Vista. Dos primeiros seis meses de 2018 até a metade de 2019, a porcentagem dos endividados subiu de 37% para 43%. Os fatores mais citados para o endividamento são desemprego (33%), diminuição da renda (23%), descontrole financeiro (19%), empréstimo do nome (12%), despesas extras com saúde e educação (10%) e atraso no recebimento do salário (3%). O estudo também revela que a taxa de pessoas com mais da metade do orçamento comprometido com dívidas chegou a 73% no primeiro semestre deste ano.

30 dias de diagnóstico
Para Bruno Chacon, educador financeiro, palestrante e membro da Associação Brasileira de Educadores Financeiros (Abefin), o grande problema do brasileiro, quando se trata de dívidas, é não conhecer a quantidade e os valores delas. “Ele não sabe quanto tem na conta-corrente e muitas vezes nem olha o extrato por que tem medo. Muitos usam o cartão de crédito como receita, mas precisam fazer um diagnóstico financeiro.” Chacon explica como proceder: “é fundamental anotar todos os gastos por 30 dias (cafezinho, as moedas no farol, o gasto com almoço, etc.) para saber qual é o seu padrão de vida, verificar onde você está errando e por que está no negativo”.

Reserva para os sonhos
Depois do diagnóstico, Chacon orienta eleger prioridades: “pagar primeiramente as contas básicas (luz e água, por exemplo) e depois a prestação do imóvel, pois é mais difícil o banco tomar esse bem. Se tiver um carro, é aconselhável vendê-lo, aplicar o dinheiro e usar uma parte dos recursos adquiridos para quitar dívidas. É importante separar uma reserva para emergências e também para realizar seus sonhos no curto, médio e longo prazos. Quem não tem sonhos e guarda dinheiro, começa a gastar sem ter objetivo”, analisa.

Disciplina
Para o educador financeiro, muitas vezes é necessário renegociar a dívida do cartão de crédito e do cheque especial. “Vale tentar unificar as dívidas e tomar um novo empréstimo, caso os juros sejam menores do que os que estão sendo pagos. Não esqueça que as parcelas precisam caber no seu orçamento. Também é fundamental ser disciplinado para não se afastar do objetivo traçado e se manter focado em honrar os compromissos. A disciplina faz você alcançar o sucesso”, ensina.

Presença de Deus
O Bispo Leno Cunha, responsável pelo trabalho da Nação dos 318 no Templo Maior de Curitiba, no Paraná, concorda que ser disciplinado é importante. “Nas reuniões de segunda-feira, além de fazermos orações para libertar as pessoas das dívidas, também as ensinamos a terem disciplina tendo como base a Luz da Palavra de Deus, pois isso as faz pagar as dívidas e não voltarem a se endividar. Se as pessoas conseguissem vencer seus problemas sem Deus, já teriam feito isso”, dispara.

Primícias
Para o Bispo Leno, é preciso estabelecer um elo com Deus por meio da fé e do dízimo. “O milagre começa a ocorrer quando a pessoa reconhece o que falta na vida dela: não é trabalhar mais, não são mais especializações, não são os talentos, mas a presença de Deus. O fato de ter disciplina de separar a primeira décima parte de todo o dinheiro que chega às suas mãos gera a mesma atitude quanto às finanças e faz com que você não faça mais dívidas. Você restabelece o equilíbrio da sua vida, pois Deus assume o primeiro lugar e abre as janelas dos céus para você”, ressalta o Bispo.


  • Eduardo Prestes / Foto: Getty Images 


reportar erro