Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 1 de novembro de 2019 - 11:22


Como lidar com a perda de um ente querido?

No dia 2 de novembro, o grupo Consolador, do EVG, promoverá uma ação nos cemitérios em todo o Brasil

Há 4 anos, Chastity Patterson (foto abaixo, à esquerda), de 23 anos, perdeu o pai. Entretanto, ela continuou a enviar mensagens de textos para o número que era dele.

A jovem desabafava sobre como estava a sua vida. Ela falou sobre a sua luta contra o câncer. Contou sobre o término da faculdade. Disse que tinha se apaixonado por um rapaz, mas que teve o coração partido.

Mas, para a sua surpresa, depois de todo esse tempo, ela recebeu uma mensagem do número, no dia 25 de outubro.

“Olá, querida, eu não sou o seu pai, mas eu tenho recebido as suas mensagens nos últimos 4 anos… Meu nome é Brad e eu perdi a minha filha em um acidente de carro, em agosto de 2014. E as suas mensagens têm me mantido vivo”, dizia.

Brad também explicou que queria ter retornado há anos, mas que estava com medo de machucar os sentimentos da jovem.

“Lamento que você tenha passado por tudo isso, mas se isso melhora as coisas, eu estou muito orgulhoso de você”, concluiu Brad.

Lidar com a morte de pessoas queridas, realmente, não é algo simples. Depois que a pessoa parte, ficam as lembranças e a saudade.

Como lidar com uma perda?

Assim como Chastity, há quem tenha dificuldade de seguir adiante e queira reviver o relacionamento que se tinha com o ente querido.

Mas, essa não é a melhor maneira de lidar com uma perda.

A Bíblia nos ensina que devemos amar a Deus sobre tudo o que existe (Mateus 22:37). E isso é para o nosso próprio bem. Porque quando colocamos alguém em primeiro lugar em nosso coração, ao perdemos essa pessoa, o nosso mundo acaba.

Entretanto, Deus é eterno. E se Ele é o nosso maior tesouro, nós não temos o que perder. Ele nos enche com a Sua alegria e paz. Ele nos transborda com a Sua grandeza. Assim, mesmo diante dos momentos mais difíceis, seguimos em frente.

Recentemente, por exemplo, um cantor cristão, chamado TobyMac, perdeu o filho Truett Foster McKeehan, de 21 anos (foto acima, à direita).

A causa da morte ainda não foi identificada, mas o Corpo de Bombeiros de Nashville, no Tennessee, suspeita de uma parada cardíaca. O jovem estava em casa, quando faleceu.

Mesmo triste pela perda do filho, TobyMac esclareceu por meio de sua página no Instagram: “Minha esposa e eu gostaríamos que o mundo soubesse disso… Nós não seguimos a Deus porque temos algum tipo de acordo com Ele, do tipo: nós vamos seguí-lO, se o Senhor nos abençoar. Nós seguimos a Deus porque O amamos. É a nossa honra. Ele é o Deus das colinas e dos vales. E Ele é belo acima de todas as coisas”.

Ela perdeu a mãe e o pai

Adriana Antunes de Campos, de 45 anos, sofreu duas grandes perdas. A primeira delas foi aos 23 anos, quando sua mãe faleceu.

“Quando eu me vi sem a pessoa que era o meu porto seguro, eu fiquei perdida. Eu não sabia o que fazer. Então, eu sofri muito, ao ponto de ter pensado em suicídio duas vezes”, relembra Adriana.

Ela vivia muito abatida e, certo dia, ela perdeu o pai também. Assista ao vídeo abaixo e saiba o que aconteceu com Adriana:

Dia de Finados

Em seu livro “O Pão Nosso para 365 dias”, o Bispo Edir Macedo esclarece algo importante sobre o Dia de Finados.

“Os costumes religiosos convencionaram o dia 2 de novembro próximo como o dia dos mortos, levando muitos a reviverem o luto e se emocionarem pelos que não estão mais aqui. Porém, isso não tem base bíblica… O que podemos fazer por nossos entes queridos, devemos fazer enquanto estiverem vivos. Nada podemos fazer nem pelos que estão no céu, nem pelos que estão no inferno, mas temos a oportunidade preciosa de fazer o melhor pelos que ainda estão neste mundo”, escreveu.

Por fim, o Bispo acrescentou que o melhor a se fazer é continuar lutando pela nossa própria salvação e ajudando quem ainda tem fôlego de vida a ter um relacionamento verdadeiro com o Senhor Jesus.

“Guarde seu coração. Não gaste energia lamentando o que passou… Hoje você tem a oportunidade preciosa de fazer o melhor pelos que ainda estão ao seu lado”, concluiu o Bispo.

Consolador: ação em todo o Brasil

No dia 2 de novembro, o grupo Consolador, do EVG, promoverá uma ação nos cemitérios em todo o País.

Serão oferecidos, gratuitamente, atendimentos com psicólogos e uma triagem com enfermeiros. Também serão realizadas orações em favor das famílias que estiverem presentes.

Saiba mais sobre o Consolador no vídeo abaixo:


  • Daniel Cruz / Foto: Reprodução, Getty Images 


reportar erro