Rede aleluia
Como está sua relação com o celular?
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
GaranhunsRecife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCaraguatatubaCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
Baln. CamboriúBlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 22 de Janeiro de 2023 - 00:05


Como está sua relação com o celular?

O aparelho está cada vez mais presente no dia a dia. Apesar da inegável utilidade, ele também é altamente viciante e rouba o tempo para outras atividades off-line, o que exige certos cuidados

Como está sua relação com o celular?

Chamar um celular de telefone perde cada vez mais o sentido, pois ele é cada vez menos utilizado para seu fim primário, que é fazer ligações telefônicas. As pessoas até se comunicam com o aparelho, mas isso é feito por meio de mensagens de áudio, vídeos e aplicativos. Além disso, elas o usam para realizar procedimentos bancários, pagar compras no comércio e on-line, consultas médicas e mais um sem-número de atividades antes restritas ao mundo físico. O problema reside exatamente nesse último ponto: o quanto a vida real está ficando para trás para ser “vivida” por meio de uma tela.

A pandemia mundial do novo coronavírus exacerbou ainda mais essa relação por via eletrônica, que continuou a exercer um apelo quase irresistível mesmo na atual fase. No Brasil, por exemplo, 56% das pessoas não ficam longe do smartphone por mais de uma hora, segundo a pesquisa Hábitos Mobile 2022, da Hibou. Apesar da inegável utilidade do aparelho para a vida pessoal, profissional e estudantil, a dependência dele chama a atenção.

Profissionais de saúde mental atestam com firmeza que o uso excessivo do celular, bem como de seus “primos de tela”, os tablets e computadores, pode causar impactos na saúde física e mental. “E nesse cenário de uma população hiperconectada um novo termo vem ficando evidente na psicologia: a nomofobia”, diz Sara Silva, professora de psicologia do Centro Universitário Braz Cubas, de Mogi das Cruzes (SP). Ela explica que a palavra é uma abreviação do vocábulo inglês no-mobile phobia, que, em tradução livre, significa medo de estar sem o dispositivo portátil. Quando estão sem ele, ela diz que “as pessoas passam a sentir ansiedade, desconforto, nervosismo, angústia, pânico, além de sintomas físicos como aperto no peito, taquicardia e suor frio”.

Sara conta que, apesar de ainda não existir uma definição clara das causas e dos efeitos da nomofobia, ela está sendo relacionada a fatores como baixa autoestima, ansiedade e impulsividade. Segundo ela, ‘’a patologia é percebida quando a pessoa afasta ou está sem o objeto e apresenta sintomas semelhantes aos da síndrome de dependência de substâncias. Os sintomas de dependência patológica são identificados quando há nervosismo, agitação, ansiedade, taquicardia, angústia, sudorese e um medo que afeta a saúde e o dia a dia da pessoa”.

EXTENSÃO DO CORPO
Em um mundo com pessoas cada vez menos próximas, o celular acaba funcionando como uma extensão de seus corpos e mentes. Enquanto isso, atividades fora das telas perdem espaço, como o cuidado com os filhos e as reuniões com amigos.

Apesar da clara utilidade do smartphone no dia a dia, é necessário usá-lo de forma equilibrada para preservar a saúde. “Não podemos lidar com a tecnologia como uma extensão nossa e, por isso, o uso consciente e responsável é necessário, principalmente nesse tempo de pós-pandemia”, conclui Sara.

SINAIS DE ALERTA

Alguns sinais de alerta de que a nomofobia já faz parte da vida de alguém são, segundo a psicóloga Sara Silva:

Ter sempre um dispositivo para recarregar a bateria;

Fazer o monitoramento constante do aparelho para verificar notificações;

Manter o celular sempre ligado, inclusive em momentos não oportunos, como na hora de dormir;

Sentir ansiedade, angústia e nervosismo se o celular fica inutilizável por qualquer razão;

Ter medo de ficar sem conexão;

Priorizar o celular como o primeiro e o último aparelho a ser acessado no dia;

Deixar de ir a lugares em que não se pode estar conectado.

COMO DIMINUIR A DEPENDÊNCIA

Para auxiliar as pessoas dependentes do celular, Sara Silva elencou algumas dicas para reduzir o uso do aparelho e seus impactos na rotina:

Limitar o uso do celular, principalmente antes de dormir e ao acordar, buscando, assim, um sono de qualidade;

Não usar o celular nos horários das refeições para manter uma alimentação consciente;

Definir estratégias para restabelecer o contato com o mundo presencial, assim como restaurar interações interpessoais e limitar o uso de tecnologias nesses momentos;

Quando necessário, buscar ajuda especializada de psicólogo e psiquiatra.


Como está sua relação com o celular?
  • Redação / Fotos: Getty images  


reportar erro