Rede aleluia
Com qual moeda você paga o mal?
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCaraguatatubaCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 12 de Setembro de 2021 - 00:05


Com qual moeda você paga o mal?

Saiba como reagir ao que fazem a você

Com qual moeda você paga o mal?

A vida impõe dificuldades e desafios o tempo todo. Todas as pessoas precisam lidar com adversidades, seja na vida profissional, familiar, amorosa ou em qualquer outro âmbito. Quem nunca teve de lidar com uma injustiça na empresa em que trabalha, por exemplo? Ou sofreu com a traição de uma pessoa de confiança? Em situações como essa, é comum surgir a revolta. E se sentir dessa maneira não é errado. Na verdade, o grande problema, não percebido por várias pessoas, é quando a revolta se transforma em busca por vingança.

Frequentemente, vítimas dessas situações buscam uma maneira de “dar o troco”. E, quando não existe a possibilidade de se vingar, essa raiva consome ainda mais a pessoa. De fato, conseguindo vingar-se ou não, esse sentimento pode se transformar em um eterno rancor, em ansiedade e até em depressão.

Infelizmente, podemos encontrar em nossa sociedade cada vez mais exemplos de como o desejo por vingança sonda o coração dos homens – nos dias atuais, até com força redobrada. Muitos não conseguem resistir e se entregam a esse apelo que se aproveita das fraquezas humanas, das dores, da revolta e da falsa sensação de que a justiça será feita caso haja vingança.

Os exemplos disso podem ser encontrados tanto na vida real, quer seja na rua em que você mora ou no noticiário ao qual você assiste, quanto na ficção, em livros, telenovelas e filmes. É claro que é preciso separar a realidade da ficção, mas esses exemplos ficam guardados na mente de quem os viu. E, erroneamente, acabam sendo seguidos em algum momento.

Pagar o mal com o mal é um erro que coloca o ser humano em um círculo vicioso que só traz decréscimo para sua vida terrena e para sua vida espiritual. Foi isso o que o Senhor Jesus nos ensinou quando foi colocado na cruz e assumiu os nossos pecados. Ali, sangrando por nós, Ele fez questão de pedir perdão ao Pai por aqueles que O haviam crucificado, demonstrando que todo homem pode ser salvo ao entregar sua vida, de corpo e alma, a Deus.

Se você não sabe como agir em situações revoltantes, siga os ensinamentos bíblicos: “Não tornando mal por mal, ou injúria por injúria; antes, pelo contrário, bendizendo; sabendo que para isto fostes chamados, para que por herança alcanceis a bênção.” (1 Pedro 3.9).

Em síntese, é preciso pagar o mal com o bem. Troque a sua moeda: se você foi ofendido, não ofenda de volta. Caso falem mal de você, não fale mal dos outros. E jamais alimente mágoas ou guarde ressentimentos. No desafio 48 do Projeto Intellimen, o Bispo Renato Cardoso nos convida para essa ação prática: “com certeza você já sofreu investidas do mal. Você ou sua família já pagaram caro pela destruição que veio desde seus pais até você. Talvez você já viveu ou esteja vivendo um inferno por isso. A pergunta é: você vai reagir como homem ou vai ficar aí chorando? Vai partir para cima do diabo ou vai deixar por isso mesmo? Seu desafio é identificar o mal que sofreu e decidir como se vingará desse mal fazendo o bem. Faça o diabo pagar caro”.


Com qual moeda você paga o mal?
  • Eduardo Prestes / Arte: Eder Santos 


reportar erro