Rede aleluia
Colunista do site The Intercept Brasil sugere que liberdade do brasileiro esteja condicionada à morte de pastores da Universal
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCaraguatatubaCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 19 de Junho de 2020 - 18:41


Colunista do site The Intercept Brasil sugere que liberdade do brasileiro esteja condicionada à morte de pastores da Universal

Discurso de ódio de JP Cuenca foi publicado na internet e teve repercussão negativa

Colunista do site The Intercept Brasil sugere que liberdade do brasileiro esteja condicionada à morte de pastores da Universal

Mais uma vez, a Universal foi alvo de um discurso de ódio. Desta vez, o jornalista do site The Intercept Brasil, João Paulo Cuenca, conhecido como JP Cuenca, fez uma publicação em sua rede social onde dizia: “O brasileiro só será livre quando o último Bolsonaro for enforcado nas tripas do último pastor da Igreja Universal”. 

Depois de sua publicação, a coragem parece ter o abandonado e JP trancou sua conta, impedindo as pessoas de acessar o conteúdo compartilhado por ele. Além disso, seu discurso de ódio afetou, diretamente, o seu bolso.

A emissora alemã, que também mantém um site de notícias voltado ao público brasileiro, Deutsche Welle, mais conhecido como DW, informou que deixará de publicar a coluna quinzenal de Cuenca.

“A DW comunica que deixa de publicar a coluna quinzenal Periscópio, de J.P. Cuenca, após o colunista ter escrito, em perfil privado nas redes sociais, mensagem que contraria os nossos valores.”

Entenda

Ele parafraseou uma fala do padre francês, Jean Meslier (1664 – 1729), revelado mais tarde ateu. Nela, o suposto padre dizia: “O homem só será livre quando o último rei for enforcado nas tripas do último padre.”

Agora, na internet, o jornalista e seus fãs, utilizam da frase do padre ateu para vitimizar o discurso de Cuenca. Todavia, é importante dizer que, independentemente se a frase foi dita por Meslier ou por Cuenca, ambas trazem consigo ódio e preconceito e, hoje, trará consequências ao jornalista.

A própria lei brasileira, que estabelece o crime de vilipêndio religioso, pode servir como instrumento de acusação.

Escarnecer de alguém publicamente, por motivo de crença ou função religiosa; impedir ou perturbar cerimônia ou prática de culto religioso; vilipendiar publicamente ato ou objeto de culto religioso”, diz o texto da lei.

Luta pela democracia?

A militância progressista, que JP faz parte, prega democracia e pluralidade de ideias, mas, na prática, essas pessoas não querem diálogo com quem não pensa como eles. Pedem respeito às religiões, mas são os primeiros a atacar aquelas que não fazem parte de seus pensamentos ideológicos.

O que mais impressiona é que essas pessoas, que não respeitam a escolha e crença de outras, pregam amor e fraternidade. A realidade é que o amor e fraternidade só são destinados a quem concorda com eles.

Nunca a esquerda cultivou tanto ódio em forma de “luta contra o fascismo”. A democracia, para eles, deve ser aniquilada, uma vez que o destino dos opositores deve ser a morte.

A esquerda não suporta ver um homem, democraticamente eleito, governando o País, mas prega luta em favor da democracia. Ora, se o Brasil vive sob um regime democrático, por que não respeitar a escolha dos mais de 57 milhões de pessoas?

A realidade é que, para eles, é proibido divergir. Se diverge, é fascista. Todavia, essas pessoas mal sabem o que, de fato, foi o fascismo.

Quem diz defender a democracia flerta com o fascismo, se chamando de antifascista. O ex-presidente Lula, por exemplo, disse que “Está ficando provado que quanto mais forte for o Estado, mais chance de resolver o problema tem o Estado”.

Benito Mussolini, pai do fascismo, também defendia a ideia de um Estado forte e que aniquilava as garantias individuais. “O liberalismo nega o Estado pelo interesse particular do indivíduo. O fascismo reafirma que o Estado é a única expressão verdadeira do indivíduo”, disse Mussolini em “A doutrina do Fascismo”.

Ou seja, as mesmas pessoas que pregam a democracia, hoje em dia, defendem ideias autoritárias e contrárias à liberdade individual, onde o Estado é inflado e se sobrepõe aos direitos individuais, assim como os fascistas.

Eles querem instaurar, novamente, um esquema que infla o País, assalta cofres públicos onde quem paga é o mais pobre, mas jurando que estão lutando pela classe trabalhadora.

Cristão de esquerda?

O que também impressiona é o número de pessoas que se dizem cristãs apoiarem as ideias de esquerda. Está claro, como águas cristalinas, que a esquerda quer anular a igreja da sociedade.

Assim como Hitler perseguia e matava judeus, a esquerda, hoje, quer, a todo custo, fechar igrejas, impedir a pregação do evangelho e aniquilar a Igreja do Senhor Jesus da humanidade.

“O comunismo é um esquema ateísta. Deus é o Estado. O Estado é quem cuida do indivíduo, logo, a igreja em si é vista como concorrente do comunismo. É por isso que você vê, por exemplo, na China é proibido ter a Bíblia e ter um trabalho da Igreja”, disse o Bispo Renato Cardoso, recentemente, no programa “Entrelinhas”.

De acordo com o Bispo, isso acontece porque a Igreja vai “diretamente contra os ensinamentos principais da esquerda.”

Portanto é, no mínimo, incoerente que um verdadeiro cristão defenda as ideias progressistas, uma vez que são contrárias à liberdade alcançada pelo Senhor Jesus na cruz.

“A liberdade foi um preço altíssimo que o próprio Senhor Jesus pagou pela nossa vida para que não ficássemos escravos nem de governo, nem de religião, nem de pecado, nem de ninguém. E a gente vê que na sociedade, onde o governo de esquerda está no poder, as pessoas são podadas de sua liberdade. A esquerda quer controlar o que a gente pode falar com o politicamente correto, por exemplo”, completou o Bispo.

Portanto, se você é cristão, não se deixe levar por um discurso populista que ludibria quem está ouvindo. Aprenda a pensar e questionar as ideias que são impostas a você, pois hoje você é livre para argumentar, mas o que acontecerá quando conseguirem cercear o seu direito de expressão?

Questione, pense e não se deixe levar pela onda socialista que permeia a sociedade.


Colunista do site The Intercept Brasil sugere que liberdade do brasileiro esteja condicionada à morte de pastores da Universal
  • Rafaela Dias / Fotos: Getty Images e Reprodução Twitter @jpcuenca 


reportar erro