Rede aleluia
Cigarros eletrônicos e vaporizadores aumentam o vício em nicotina
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 22 de Junho de 2021 - 19:27


Cigarros eletrônicos e vaporizadores aumentam o vício em nicotina

Estudo comprova mais um perigo do produto

Cigarros eletrônicos e vaporizadores aumentam o vício em nicotina

Nos últimos anos, milhares de pessoas – especialmente jovens – trocaram os cigarros convencionais por vaporizadores e cigarros eletrônicos. O objetivo seria substituir o vício maléfico por um, supostamente, inofensivo.

Entretanto, frequentemente, novos estudos demonstram os perigos encerrados nessa nova modalidade de fumo.

Dessa vez, um estudo realizado pela Universidade do Sul da Califórnia demonstrou que a “essência ice” utilizada nos vaporizadores está diretamente ligada ao aumento do vício em nicotina, seja utilizando cigarros tradicionais ou não.

Essência é o produto utilizado para dar sabor e perfume ao que está sendo fumado. Essa essência pode possuir drogas ilegais ou não e, na maioria das vezes, é doce. O produto é desenvolvido dessa maneira justamente para atrair os fumantes mais jovens, especialmente adolescentes.

A “essência ice” dá a sensação refrescante ao fumo. De acordo com os pesquisadores, essa é a essência mais utilizada entre os fumantes. Ao mesmo tempo, é a que mais vicia.

O vício em vaporizadores está diretamente relacionado ao aumento de doenças cardíacas. Além disso, os autores afirmam que “experimentar cigarros eletrônicos e vários outros produtos do tabaco antes dos 18 anos está fortemente associado ao tabagismo diário posterior”.

Esse é mais um estudo a comprovar que vaporizadores e cigarros eletrônicos não são soluções para a cura do tabagismo tradicional.
Libertação real do vício

De fato, só existe uma maneira de se libertar de um vício: tratando o problema no nível espiritual. É o que explica o Bispo Renato Cardoso. De acordo com ele, as tentativas realizadas para a libertação do vício – como remédios ou terapias, por exemplo – são superficiais. Por isso, não funcionam.

“Esses tratamentos chegam até um ponto. E não conseguem passar desse ponto, não conseguem lidar com o problema real e causador do problema, que é espiritual”, explica o Bispo. “Então, quando a pessoa trata o problema do vício no nível espiritual, somente aí ele pode ser definitivamente resolvido. É por isso que se diz ‘não tem cura’. Porque, humanamente falando, não tem… Você não pode tratar o vício humanamente falando, se a origem dele é espiritual. Mas quando se trata no espiritual, se tem a cura.”

Se você quer tratá-lo de maneira eficiente, participe da Reunião  Vício Tem Cura, na Universal. Clique aqui e saiba mais detalhes.


Cigarros eletrônicos e vaporizadores aumentam o vício em nicotina
  • Andre Batista / Foto: iStock 


reportar erro