Rede aleluia
Cientistas reproduzem “coração” do novo coronavírus para teste de inibidor
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 3 de julho de 2020 - 15:33


Cientistas reproduzem “coração” do novo coronavírus para teste de inibidor

Modelo 3D da estrutura proteica do novo coronavírus será usado para teste de bloqueadores capazes de interromper seu ciclo de vida e, assim, a pandemia

Cientistas reproduzem “coração” do novo coronavírus para teste de inibidor

Pesquisadores dos laboratórios norte-americanos Oak Ridge e Argonne realizaram as primeiras medições da estrutura da principal enzima da Sars-CoV-2 (vírus causador do novo coronavírus), a Mpro. Ela atua no processo de replicação do vírus.

O objetivo é construir, a partir dessas medidas, um modelo 3D dessa estrutura proteica. O estudo será usado para avançar simulações de supercomputação destinadas a encontrar drogas inibidoras. E, assim, bloquear o mecanismo de replicação do vírus e combater a pandemia.

Em entrevista ao portal de notícias EurekAlert, o pesquisador Andrey Kovalevsky, do Oak Ridge, ressaltou que essa enzima é indispensável para o ciclo de vida do vírus. “A [enzima] protease tem o formato de um coração de Dia dos Namorados, mas é realmente o ‘coração’ do vírus. Se você inibir a protease e parar o ‘coração’, o vírus não pode produzir as proteínas essenciais para sua replicação.”

Kovalesvky afirma que essa é a primeira vez que a estrutura dessa enzima é medida em temperatura ambiente. O fato, segundo o especialista, é significativo porque está próximo da temperatura fisiológica em que as células operam.


Cientistas reproduzem “coração” do novo coronavírus para teste de inibidor
  • Do R7 / Imagens: Jill Hemman e Andrey Kovalevsky/ORNL, U.S. Dept. of Energy 


reportar erro