Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 3 de junho de 2020 - 01:00


Cientista britânico afirma que superfícies de cobre matam o novo coronavírus em 4 horas

Ele recomenda que áreas comuns como maçanetas e corrimãos sejam revestidas com o metal

De acordo com o microbiologista britânico William Keevil, da Universidade de Southampton, do Reino Unido, o novo coronavírus não sobrevive em superfícies de cobre por mais de 4 horas.

Enquanto em superfícies de aço e plástico o vírus sobrevive por três dias, no cobre ele é eliminado em poucas horas devido às propriedades antibacterianas do metal. Além disso, estudos também mostraram que no papelão ele pode ser detectado até 24 horas depois.

Então, para evitar a contaminação, o cientista recomenda que áreas comuns como maçanetas, corrimãos em transportes públicos, carrinhos de compras e equipamentos de ginásticas sejam revestidos com o metal.

Cobre destrói DNA do coronavírus

Segundo o cientista, quando o coronavírus atinge o cobre, os íons metálicos, que são os átomos carregados eletricamente, atacam a estrutura que o protege, invade a célula e destrói o DNA do vírus, eliminando-o totalmente.

Ele acrescenta, ainda, que telas em restaurantes de fast-food e caixas eletrônicos também podem se beneficiar com o metal.

Inclusive, um estudo realizado nos Estados Unidos, por pesquisadores da Universidade Médica, na Carolina do Norte, revelou que leitos de UTI  revestidos em cobre abrigam em média 95% menos bactérias do que os leitos convencionais.

‘As descobertas indicam que os leitos de cobre antimicrobianos podem ajudar os profissionais de controle de infecção em sua busca para manter a superfície da saúde higiênica entre as limpezas regulares, reduzindo assim o risco potencial de transmissão de bactérias associadas à saúde’, escreveram os pesquisadores na época.

Lavar as mãos é crucial para evitar o contágio

No entanto, autoridades de saúde do mundo todo são unânimes em afirmar que seguir os protocolos rigorosos de lavagem das mãos são cruciais para impedir a contaminação pelo vírus.

O farmacêutico Hotoniel Drumond, que também é voluntário do trabalho social do Socioeducativo, em Minas Gerais, ensina o passo a passo para uma higienização correta das mãos:

1º passo: Lave a palma das mãos;

2º passo: Lave o dorso das mãos;

3º passo: Lave os dedos e os espaços interdigitais (entre os dedos);

4º passo: Utilize o colo das mãos para esfregar as pontas dos dedos;

5º passo: Esfregue os polegares;

6º passo: Lave os punhos;

Observação: Se estiver de manga comprida faça a higienização até os punhos; se estiver de manga curta, o ideal é que faça até os cotovelos.

(*) Com informações do Daily Mail


  • Redação (*)/ Foto: Getty Images 


reportar erro