Rede aleluia
Califórnia: alunos são incentivados a participar de ritual de divindades astecas
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCaraguatatubaCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 13 de Outubro de 2021 - 13:58


Califórnia: alunos são incentivados a participar de ritual de divindades astecas

Nos dias de hoje, cada vez mais, valores anticristãos são aceitos como "normais"

Califórnia: alunos são incentivados a participar de ritual de divindades astecas

Um fato surpreendeu um grupo de pais, na Califórnia, nos Estados Unidos: os filhos teriam de fazer “orações” para Tezkatlipoka, uma divindade asteca que era homenageada com sacrifícios humanos.

Tudo começou quando o Departamento de Educação estadual propôs em seu currículo de “estudos étnicos” canções que entoavam nomes de deuses astecas.

A justificativa era a de que o programa de estudos ajudaria a “afirmar as identidades e as contribuições de grupos marginalizados em nossa sociedade” e que os alunos deveriam ser “agentes ativos no processo de contrução de pontes interétnicas”.

Os cantos funcionariam como uma espécie de “dinâmica de grupo” que estimularia a participação dos alunos em torno da abordagem do programa de estudos.

Entretanto, alguns pais não concordaram com a prática de ensino e recorreram à Thomas More Society, que, atualmente, os representa legalmente junto ao ensino público sobre o tema.

“Nossos clientes não se opõem a que os alunos aprendam sobre diferentes culturas e religiões, incluindo as práticas dos astecas”, disse Paul Jonna, sócio da LiMandri & Jonna LLP e do conselho especial da Thomas More Society. “Mas o Currículo do Modelo de Estudos Étnicos aprovado pelo Conselho Estadual da Califórnia vai muito além disso, ao direcionar os alunos a orar às divindades astecas. Esta parte do Currículo do Modelo de Estudos Étnicos não é apenas ofensiva, mas flagrantemente inconstitucional.”

A organização entrou com recurso para barrar, pelo menos temporariamente, este tipo de atividade em escolas públicas da Califórnia. Pois, o canto ritualístico equivale à uma espécie de atividade religiosa. As informações são da Fox News.


Califórnia: alunos são incentivados a participar de ritual de divindades astecas
  • Da Redação / Foto: iStock 


reportar erro