Rede aleluia
Bíblia Sagrada não é bem-vinda para o STF
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 14 de Abril de 2021 - 20:43


Bíblia Sagrada não é bem-vinda para o STF

Em ação, juízes decidem que escolas e bibliotecas estaduais não podem conter um exemplar do livro Sagrado. Entenda

Bíblia Sagrada não é bem-vinda para o STF

Depois de decidir que as igrejas não podem realizar cultos presencialmente, durante a pandemia de COVID-19, o Supremo Tribunal Federal (STF) agora entendeu que as escolas e bibliotecas públicas não podem ter um exemplar da Bíblia Sagrada.

A ação direta de inconstitucionalidade foi aberta em 2015, pelo então procurador-geral da República, Rodrigo Janot, mas a sessão para julgamento apenas aconteceu nesta segunda-feira, 12 de abril, e teve a ministra Cármen Lúcia como relatora.

Todos os ministros da Corte votaram contra uma lei do estado do Amazonas, que estabelece a obrigatoriedade da presença de, ao menos, um exemplar da Bíblia Sagrada nas escolas e bibliotecas do estado. 

Para justificar seu voto, Cármen Lúcia alegou que um exemplar da Bíblia Sagrada em um ambiente escolar estadual poderia prejudicar outras religiões e feriria o princípio de laicidade do Estado, já que nem todos os estudantes professam a mesma fé.

“Na determinação da obrigatoriedade de manutenção de exemplar somente da Bíblia, a lei amazonense desprestigia outros livros sagrados quanto a estudantes que professam outras crenças religiosas e também aos que não têm crença religiosa alguma”, escreveu Cármen Lúcia.

Aparentemente, os ministros do STF não reconhecem a Bíblia Sagrada, também, como um importantíssimo livro que é. É inegável que o cristianismo faz parte da cultura do País. E está tão presente que há até uma  imagem da representação de Jesus no plenário da Corte, bem como em quase todos os plenários estaduais e municipais espalhados pelo Brasil. Seguindo a lógica da senhora ministra Cármen Lúcia, todas essas imagens não teriam de ser retiradas? Ela mesma vai se propor a tirar a que estampa a parede do STF?

 

Censurada

Contudo, a realidade é que enquanto as Bíblias são vetadas em escolas brasileiras, constantemente, relatos de bibliografia imprópria é exposta pelo País.

Em janeiro deste ano, o prefeito da cidade de Sorocaba, no interior de São Paulo, Rodrigo Manga (Republicanos), que estava em início de mandato, denunciou  a presença de livros impróprios para crianças nas escolas municipais. Segundo ele, a gestão anterior teria gasto mais de R$29 milhões para comprar esses livros.

Escondido por trás da ideia de “orientação contra abusos sexuais”, o livro fazia claras alusões à sexualidade ao público infanto-juvenil e continha linguagem inadequada. O caso sorocabano, no entanto, não é o único no País.

Em uma rápida busca na internet, é fácil encontrar denúncias e mais denúncias de livros destinados ao público infantil que carrega o mesmo teor sexual.

Agora, a pergunta que fica é: por que as crianças não podem ter contato com a Bíblia Sagrada, mesmo nas escolas? Que mal o livro Sagrado faria a uma criança que se interessasse em ler a história de Noé, por exemplo?

Pelo jeito, parece que os ministros repudiam que as crianças tenham acesso à Bíblia Sagrada, da mesma forma que não querem que os fiéis tenham acesso às suas igrejas, durante a pandemia.


Bíblia Sagrada não é bem-vinda para o STF
  • Rafaela Dias / Fotos: Getty Images e Rosinei Coutinho - SCO/STF 


reportar erro