Rede aleluia
AVC é a segunda doença que mais mata no Brasil
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 28 de junho de 2020 - 00:05


AVC é a segunda doença que mais mata no Brasil

O que você precisa fazer para se prevenir e como socorrer alguém em caso de suspeita do problema

AVC é a segunda doença que mais mata no Brasil

O acidente vascular cerebral (AVC) está entre as três principais causas de morte no mundo, variando entre a segunda e a terceira posições.

Popularmente conhecido como derrame, é responsável por mais de 100 mil mortes, por ano, no Brasil, e fica somente atrás do enfarte.

De acordo com o neurologista do Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo, Marcos Fujino, médico com subespecialização em neurologia vascular, o AVC é mais comum em pessoas mais velhas, mas pode acometer pacientes de todas as idades.

Riscos reais
O risco de ter AVC na vida é de 25%. “Uma em cada quatro pessoas vai ter a doença e ela atinge igualmente homens e mulheres, com uma pequena diferença maior para os homens. Para quem é mais jovem, o que conta é o fator genético. Quanto mais idosa a pessoa for, mais os fatores de risco, como hipertensão, diabetes, alimentação inadequada e sedentarismo, contribuem para seu surgimento”, explica.

Basicamente, há dois tipos de AVC: o isquêmico, quando ocorre a oclusão do vaso sanguíneo e que representa 85% dos casos; e o hemorrágico, que é quando algum vaso que leva sangue ao cérebro se rompe. “Quando eles ocorrem, a cada minuto que passa, morrem dois milhões de neurônios. Quanto mais rápido for o atendimento, maiores serão as chances de que não haja sequelas. Se você notar que a pessoa está com dificuldades de fala, com o rosto caído ou um lado do corpo paralisado, ligue com urgência para o resgate ou o SAMU”, diz.

Segundo Fujino, a grande novidade em atendimento é a trombectomia: “É uma técnica de desobstrução de artérias que vem mostrando grande sucesso, mas a prevenção é a melhor aliada contra a doença. Quando você diminui os fatores de risco, reduz também as chances de surgimento dela. Ter um estilo de vida mais saudável, praticar exercícios físicos e priorizar uma alimentação rica em verduras, frutas e legumes, parar de fumar e reduzir o consumo de bebida alcoólica ajudam a prevenir o desenvolvimento do AVC”, adverte.


AVC é a segunda doença que mais mata no Brasil
  • Eduardo Prestes / Arte: Edi Edson 


reportar erro