Rede aleluia
Argentina e Chile: alerta vermelho
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
GaranhunsRecife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCaraguatatubaCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 23 de Janeiro de 2022 - 00:05


Argentina e Chile: alerta vermelho

Argentina e Chile: alerta vermelho

Quando há um grande terremoto, a destruição pode alcançar milhares de quilômetros do epicentro. Trace um paralelo com a política e perceba as catastróficas consequências que ela pode gerar na economia, na política e na vida do cidadão. A esquerda ganhou as recentes eleições presidenciais na Argentina e no Chile. Há risco de o mesmo acontecer no Brasil neste ano? Muitos se fazem essa pergunta, desde os temerosos pela bagunça que a esquerda sempre causa até esquerdistas esperançosos pelo cenário vermelho típico: baderna social e caos para o público, que passa a ter a ilusão de que precisa de salvadores da pátria. A esquerda alimenta a polarização do povo, que passa a ser presa fácil. E tome pôr a população contra militares e qualquer outra forma de organização civilizada. Pudera, a esquerda só consegue ter poder quando há caos e, por isso mesmo, o cria.

O Chile acabou de eleger um presidente esquerdista, Gabriel Boric, que assume em março, e a turminha de vermelho daqui já solta fogos de artifício antecipados, “prevendo” a volta do “salvador” Lula à Presidência brasileira. Tanto Argentina quanto Chile e Brasil têm em comum a polarização exacerbada provocada, além da economia em frangalhos. O mais curioso é que os esquerdistas culpam os recentes governos de direita pelo caos econômico no qual eles mesmos lançaram os três países.

O esquerdista Alberto Fernández foi eleito presidente da Argentina em 2019, derrotando Mauricio Macri, que tentava a reeleição. Macri era bem fraco e isso ajudou Fernández a ocupar a Casa Rosada, sede do governo. Só que a economia na Argentina está tão mal que, nas recentes eleições legislativas, a casa Rosada perdeu vagas de apoio no Senado. A “esperança” esquerdista só bagunçou mais as finanças, emitindo dinheiro descaradamente sem lastro e afundando seu país em uma inflação de mais de 52% anuais – que aumentará, segundo especialistas, fato ignorado pela velha imprensa brasileira que defende Lula e que, por sua vez, apoia a esquerda que lá está governando. Mas a população responde nas urnas. No começo do governo Fernández, sua aprovação beirava os 70%. Hoje, beira o precipício: 20% e descendo. Acontece que a vice de Fernández é a peronista Cristina Kirchner, ela mesma uma grande sabotadora do governo do lado de dentro, de olho no “trono” para si. Foi primeira-dama entre 2003 e 2007 e presidente entre 2007 e 2015. Jogou a Argentina em um buraco sem fundo e agora culpa os quatro anos de Macri pela quebra do país. Vale lembrar que o peronismo vem de Juan Perón, populista demagogo que vendeu uma imagem de salvador da pátria argentina no século passado, alimentando ainda mais a imagem de sua esposa, Eva, a famosa Evita, que se vendia como salvadora dos pobres, enquanto ela mesma esbanjava luxo com o dinheiro do povo.

A manipulação do povo chegou a tal ponto que Evita vendeu a imagem do marido como divindade: “só há um Perón. Ele é um Deus (sic) para nós. Nosso sol, nosso ar, nossa vida”. Ao mesmo tempo, ela era vendida como santa pelo marido, que chegou a criar o feriado de “santa Evita” em 1951. Quando ela morreu, em 1952, um porta-voz peronista a chamou de “mãe nossa que estás nos céus”, enquanto publicações do partido a mostravam com uma auréola.

Interessante que Eva dizia que não queria ser chamada de esquerdista, apesar de apelar para as táticas vermelhas de manipular o povo e criar nele uma dependência do governo como a de um deus. Detalhe: Perón e sua “santa” apoiavam Hitler e esconderam vários nazistas em terras argentinas após a Segunda Guerra, a ponto de existir uma lenda que dizia que Hitler não morreu em 1945, mas fugiu para a Argentina.

Mas a Bíblia é bem clara: “grande será o sofrimento dos que correm atrás de outros deuses”. (Salmos 16.4). Dito e feito. O terremoto argentino já causou estragos no Chile, apesar de o desempenho vermelho se mostrar desastroso no epicentro. Se o Brasil não tomar cuidado, passará logo a ver os mesmos desmoronamentos por aqui, mesmo já sabendo o que o PT causou ao País (e agora atribui ao governo atual, que teve que lidar com os estragos, sendo que o povo tem que lidar com eles todos os dias). O “alerta vermelho” está aceso e a realidade fala por si. Não vê quem não quer ou finge que não vê porque lucra com isso.


Argentina e Chile: alerta vermelho
  • Redação - Foto: getty images 


reportar erro