Rede aleluia
Após uma agressão física, ela saiu de casa
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
GaranhunsRecife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCaraguatatubaCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
Baln. CamboriúBlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 2 de Outubro de 2022 - 00:05


Após uma agressão física, ela saiu de casa

Após uma agressão física, ela saiu de casa

No programa Escola do Amor Responde, Marcela, de 41 anos, contou que é casada há 27 anos. Certo dia, os dois começaram a discutir e ele a agrediu com palavras e, em seguida, partiu para a agressão física. Então, ela reuniu seus pertences e saiu de casa. Segundo ela, não é a primeira vez que o casal enfrenta uma separação. Marcela disse que o marido tem “coração mole”, embora ele seja um homem “bruto”, mas que acredita que ele tem de se arrepender de seus erros.

MARCELA – Tenho 41 anos e meu marido, 42. Temos uma convivência de 27 anos. Certo dia, ele começou a discutir comigo, me agrediu com palavras e tudo acabou em violência física. Por causa disso, peguei as minhas coisas e saí de casa. Sei que errei ao agir por impulso. No entanto essa não foi a primeira vez que nos separamos. Sei que ele tem um jeito estúpido e bruto de ser, todavia, dentro dele há um coração mole. Ele sempre tem um pretexto para me ligar e sempre acredita que está certo. Gosto muito dele, afinal de contas, 27 anos não são 27 dias. O que devo fazer?

RENATO – Você fez certo ao sair de casa depois da briga, uma vez que não pode ficar na companhia de alguém que a agride fisicamente. Eu não sei o que aconteceu e se você teve participação nesse conflito, mas nada justifica essa atitude por parte dele. Você acertou ao ir embora, pois ele se tornou alguém perigoso para você. Contudo você errou ao ter voltado com ele sem ter resolvido o que causou a briga e a agressão. Destaco isso porque você acredita que errou, entretanto, você não pode pensar que ele tem um jeito “bruto” de ser e que as coisas são assim mesmo. Ele pode até ser uma boa pessoa, no entanto, ele pode matá-la. Você não errou ao sair de casa, você errou ao voltar com ele sem ao menos ter resolvido as coisas.

CRISTIANE – Esse é o perigo em alguns relacionamentos: as pessoas vão tolerando certas palavras, agressividade e certos comportamentos. Imagino que você tenha tolerado e ouvido muitas coisas ao longo dos anos. Quanto mais você tolera, mais o seu marido ultrapassa os limites. Quando ele a xingou, no subconsciente dele, nada aconteceu, então ele vai fazer algo pior da próxima vez. Ele foi piorando a forma de ser agressivo com você gradativamente. É importante não permitir que os seus limites sejam ultrapassados. A coisa mais comum são os palavrões em discussões de casais.

RENATO – Os palavrões são as palavras ofensivas que machucam, como dizer que a pessoa é “fraca”, que “não presta” e outras coisas que ferem o outro. A chantagem, o controle e o abuso não podem acontecer no relacionamento. Aceitar o abuso no relacionamento só piora as coisas.

CRISTIANE – A pessoa pode ser ótima e ser agressiva. As pessoas não são totalmente más. A pessoa tem um passado e muitas coisas contribuem para determinar seu comportamento nos relacionamentos. Ainda há tempo de você colocar limites.

RENATO – A pessoa que sofreu abuso precisa colocar limites e um ponto final nessa situação. É possível que o abusador provoque a vítima de tal forma que ela também vá para os níveis mais baixos e isso se torna uma guerra sem fim. Os dois precisam ficar longe um do outro, caso contrário, se destroem. Vocês precisam tratar esse problema de abuso entre vocês e entender o que o provocou. Você, por exemplo, pode melhorar a maneira de falar com ele e não provocá-lo. Ele, por sua vez, precisa buscar ajuda para esse temperamento. Vocês devem buscar ajuda. O problema original precisa ser encontrado, já que ocasionou várias separações. Vocês precisam resolver esses conflitos. Ele pode ser uma boa pessoa, mas bateu em você. Não adianta só seguir seus sentimentos: você precisa ser objetiva e racional. Quais são os problemas? Vocês estão dispostos a resolvê-los? Se estiverem, há solução para o casamento de vocês.

 


Após uma agressão física, ela saiu de casa
  • Kaline Tascin / Foto: getty images 


reportar erro