Rede aleluia
Antes seu rosto era estampado em ocorrências policiais. Hoje ele fala de Jesus
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCaraguatatubaCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 10 de Agosto de 2021 - 10:27


Antes seu rosto era estampado em ocorrências policiais. Hoje ele fala de Jesus

Saiba como Igor Salomão recomeçou sua vida depois de várias prisões por roubo e tráfico de drogas

Antes seu rosto era estampado em ocorrências policiais. Hoje ele fala de Jesus

O auxiliar de produção Igor Palma Salomão, de 24 anos, desfruta de uma vida de paz e pode seguir com a cabeça erguida, mas nem sempre foi assim. Apesar da pouca idade, ele revela que teve um vasto envolvimento com o crime. “Antes, quando eu avistava uma viatura da polícia mudava meu caminho imediatamente”, diz. Ele conta que teve uma infância feliz na cidade de São Gabriel do Oeste, no Mato Grosso do Sul, onde vive. Criado pelos avós maternos, ele afirma que nunca lhe faltou nada material nem carinho. A mãe sempre esteve presente e o pai mantinha contato por telefone.

Aos 13 anos, porém, Igor se deixou influenciar por más companhias e seguiu um caminho no qual muitos não encontram a saída. “Foi quando conheci as drogas. Comecei pela maconha, passei para a cocaína e fui experimentando todos os tipos de drogas. Para sustentar os vícios, eu comecei a traficar e a cometer furtos e roubos. Fui preso mais de 20 vezes.”

Os motivos das apreensões eram sempre os mesmos e Igor explica as quatro últimas. Em 2013, ainda menor de idade, ele ficou sete meses em uma unidade socioeducativa por tráfico internacional ao ser pego transportando drogas na divisa com o Paraguai. Em 2015, ele foi apreendido de novo, desta vez por furto qualificado, e permaneceu nove meses em outra unidade socioeducativa. Em 2016, já maior de idade, Igor foi preso com mais três pessoas por roubo qualificado e ficou detido dez meses. A última prisão foi em 2017, depois de ser pego com meia tonelada de maconha, quando cumpriu pena de um ano e quatro meses.

Decisão
Igor revela suas piores lembranças, quando olha para o passado: “ainda me envergonho ao lembrar que apontava a arma no rosto de pessoas para tomar seus bens e pertences. Eu entrava nas casas e furtava tudo que elas tinham conquistado honestamente. Meu maior fundo do poço foi quando eu vi que não usava mais a droga, mas que ela e o crime me usavam”, conta, acrescentando que sua família não acreditava que ele pudesse mudar. Igor relata que sua tristeza só aumentava.

Quando estava preso, ele conheceu o trabalho da Universal por meio do projeto Universal nos Presídios (UNP), mas continuou no crime quando ganhou a liberdade. Entretanto ele repensou sua situação em 12 de junho de 2019, depois de receber um convite para um encontro da Força Jovem Universal. “Naquele dia, eu tive o verdadeiro arrependimento”, revela. “Aceitei o convite para ir à Igreja, pois, na cadeia, uma semente tinha sido plantada nas mensagens de Fé que ouvi. Decidi não viver mais a mesma vida e nesse dia não usei droga. No domingo seguinte me batizei nas águas.”

Igor afirma que seu processo de libertação foi rápido, pois ele tinha tomado a decisão de entregar sua vida a Deus. “Mudei tudo: meu jeito de pensar e falar, as companhias, houve uma mudança total”, garante. “O Espírito Santo agora é a minha Única dependência e é a minha base.” Hoje Igor tem uma boa relação com a família e leva a proposta da Salvação a jovens com problemas semelhantes aos que ele teve.


Antes seu rosto era estampado em ocorrências policiais. Hoje ele fala de Jesus
  • Kelly Lopes / Fotos: Cedidas 


reportar erro