Rede aleluia
Ana Caroline sofria com depressão e perturbações noturnas
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 9 de janeiro de 2020 - 13:22


Ana Caroline sofria com depressão e perturbações noturnas

Mesmo descrente, ela aceitou a visita de um obreiro da Universal e o que parecia impossível aconteceu

Ana Caroline sofria com depressão e perturbações noturnas

Ana Caroline Bernardo, de 36 anos, nasceu em uma família bem estruturada financeiramente.

Seus pais trabalhavam numa empresa aérea, assim podiam proporcionar a filha regalias, como viagens, escola particular, babá e tudo que uma criança precisa e deseja ter à disposição.

Contudo, veio o divórcio e, consequentemente, os problemas.

O engano espiritual

A mãe entrou em um novo relacionamento, mas o estresse e a ansiedade gerados pela correria do dia a dia lhe trouxeram muitas sequelas emocionais. Com isso ela resolveu buscar nas religiões a resposta para suprir o vazio que sentia em seu interior.

Ana Caroline tinha por volta de 10 anos quando acompanhava a mãe a essas sessões espirituais, e lá lhe disseram que ela precisava evoluir espiritualmente.

“Eu comecei a ter perturbações noturnas, ouvir vozes e ver vultos. E isso foi se intensificando. Dentro de mim as vozes diziam que a única maneira de resolver aquilo era tirando a minha própria vida”, recorda-se.

Tentativa de suicídio

Foram duas tentativas de suicídio que fizeram com que a mãe dela percebesse que ela precisava buscar ajuda.

“A partir daí, minha mãe procurou vários meios para me ajudar: psiquiatras, psicólogos, até que fui diagnosticada com depressão profunda”, diz.

Nesse ínterim, uma vizinha sabendo o que se passava   perguntou para a mãe de Ana Caroline se podia trazer alguns obreiros para orar por ela. Apesar de saber da descrença, mãe e filha aceitaram a visita.

A libertação

“Eu lembro que quando eles vieram um obreiro perguntou há quanto tempo eu estava sem dormir. Fazia muito tempo que eu não sabia o que era dormir sem remédios. Ele, então, me disse que depois daquela oração eu iria dormir. Ele falou com uma certeza tão grande que eu pensei: ‘vamos ver’. Eu não tomei remédio naquele dia. Eu senti um alívio tão grande e dormi”, recorda-se.

Nesse mesmo dia, aquele obreiro assumiu o compromisso de acompanhar a jovem e na segunda visita ele fez outro desafio: “Ele determinou que nunca mais eu ouviria vozes ou veria vultos. E depois dessa oração, de fato, eu nunca mais ouvi vozes ou vi vultos”, conta.

O convite

Com tantos sinais não foi difícil para Ana Caroline aceitar o convite de ir à Universal e, a partir do momento que colocou os pés lá, não saiu mais.

Ela conta que passou a obedecer às orientações do pastor como se fosse uma prescrição médica. “Eu via a Palavra de Deus como um medicamento, e me agarrei a essa oportunidade como se fosse a única”, declara.

Acompanhe o depoimento dela e veja o que aconteceu:


Ana Caroline sofria com depressão e perturbações noturnas
  • Jeane Vidal / Foto: Reprodução 


reportar erro