Rede aleluia
Alerta: faça uso consciente de água e energia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCaraguatatubaCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 18 de Julho de 2021 - 00:05


Alerta: faça uso consciente de água e energia

Com o impacto da maior crise hídrica dos últimos 91 anos, é preciso mudar algumas atitudes na rotina da casa

Alerta: faça uso consciente de água e energia

A falta de chuvas tem impactado a vida de milhões de brasileiros. Em um pronunciamento em rede nacional de televisão, o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, disse que “o Brasil enfrenta uma das piores secas de sua história” e que “a escassez de água que atinge as usinas hidrelétricas, em especial as do Sudeste e do Centro-Oeste, é a maior dos últimos 91 anos”.

Dentre as medidas apontadas para contornar o atual cenário hidrelétrico de escassez incluem-se incentivos para que empresas desloquem o consumo dos horários de maior demanda de energia para os horários de menor demanda. Contudo, além dos setores do comércio, o ministro reforçou que “é importante que todo cidadão consumidor participe desse esforço e evite o desperdício de consumo de energia elétrica”, minimizando, assim, os impactos do dia a dia, de produção e, consequentemente, de custos. A palavra racionamento não configura nem está projetada nas medidas.

O Ministério de Minas e Energia tem incentivado e compartilhado orientações sobre o consumo consciente nas redes sociais e também no seu site oficial (confira, ao lado, algumas dicas).

Diferença no bolso
O aumento da conta de luz é um dos reflexos da falta de chuvas, uma vez que 61% da matriz energética brasileira provém de hidrelétricas. No final de junho, a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) viabilizou a elevação de 52% no custo adicional cobrado pela bandeira tarifária vermelha patamar 2, que passou de R$ 6,24 para R$ 9,49 a cada 100 quilowatts-hora consumidos. Em nota, a Aneel informou que “em junho, as afluências nas principais bacias hidrográficas do Sistema Interligado Nacional (SIN) estiveram entre as mais críticas do histórico” e que julho se iniciou “com a mesma perspectiva hidrológica desfavorável (…), com reduzida capacidade de produção hidrelétrica e elevada necessidade de acionamento de recursos termelétricos”.

Vale lembrar que, em 2015, foi criado o sistema de bandeiras tarifárias, com três modalidades, como forma de dar transparência e sinalizar os custos de energia, até mesmo para que o consumidor faça bom uso e as adaptações necessárias. Dessa forma, é repassado ou não o valor de produção de acordo com a demanda representada pelas cores verde (com condições favoráveis para geração de energia), amarela (menos favoráveis) ou vermelha (que contém os patamares 1 e 2, com geração mais custosa). O acionamento da bandeira vermelha em seu maior patamar remete a ações relacionadas ao uso racional e consciente e reforça a necessidade de combate ao desperdício.


Alerta: faça uso consciente de água e energia
  • Flavia Francellino / Foto: Getty images 


reportar erro