Rede aleluia
Ajuda quem não atrapalha
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 20 de Janeiro de 2020 - 10:45


Ajuda quem não atrapalha

A assistência espiritual é necessária para quem começa a trilhar o caminho da Fé, porém ela tem limites

Ajuda quem não atrapalha

Para uma pessoa que está dando os primeiros passos na Fé, nada mais normal do que receber assistência espiritual para conseguir se manter firme. No entanto, o problema é que muitas pessoas perdem a noção na hora de ajudar o outro e às vezes inconscientemente querem impor a sua Fé e o seu jeito de fazer as coisas que são relativas ao relacionamento com Deus.

A Fé é individual e intransferível. As Escrituras Sagradas descrevem isso em diversos versículos, como no livro de Romanos 12.3: “Porque pela graça que me é dada, digo a cada um dentre vós que não pense de si mesmo além do que convém; antes, pense com moderação, conforme a medida da Fé que Deus repartiu a cada um”.

Outro trecho do mesmo livro que também deixa isso claro está no capítulo 14, versículo 2: “Porque um crê que de tudo se pode comer, e outro, que é fraco, come legumes”. Mais uma prova de que cada indivíduo tem um tipo de fé e não se pode julgar isso.

Perdendo uma alma
A vendedora Régia Possidonio, (foto abaixo) de 19 anos, é um exemplo de quem infelizmente sabe o que é perder uma alma por conta da imposição da sua própria fé. Ela está na Universal há cinco anos e faz parte do grupo Força Jovem na cidade de Campinas, interior de São Paulo, e ajuda os jovens que chegam à igreja precisando de auxílio e orientação.

Régia reconhece que errou ao tentar ajudar uma jovem que tinha problemas de se automutilar. “Eu levava essa jovem todos os dias para a Igreja, mandava mensagem a todo instante e, se ela demorasse a responder, eu ia à casa dela. Eu a alertava de que se cortar era errado, porque machucava o corpo dela, mas nunca perguntei como ela se sentia. A repreendia com tom de acusação e dizia para ela não beber, não usar drogas nem sair. Eu sempre enfatizava que ela tinha que se dedicar ao grupo e fazer as coisas para Deus se quisesse mudar de vida.”

Régia afirma que esse tipo de tratamento despertou revolta na jovem que ela ajudava: “um dia ela me disse que não aguentava mais e que eu fazia tudo parecer um fardo. Ela falou que eu não a entendia e no fundo ela estava certa.”

Apesar disso, Régia demorou para reconhecer seu erro e passou por mais uma situação delicada. “Passado um tempo, essa mesma jovem ainda frequentava a Igreja e, em uma troca de grupo, ela quis ir comigo, mas acabei sendo grossa e disse que ela tinha que aprender a andar sozinha, pois não podia viver me acompanhando sempre. Também falei que ela devia aprender a ser mais forte.”

Daquele dia em diante, a jovem que Régia acompanhava nunca mais foi à Igreja e, com isso, Régia aprendeu uma lição: que não se deve impor nada a ninguém e que se Deus dá livre-arbítrio ao ser humano quem seria ela para querer prender alguém. “Aprendi que devo orar por aqueles que estão ao nosso redor e ajudar com um conselho e quando necessário ser dura, mas sempre dar o direito de escolha à pessoa”, relata.

O cuidado
O fato de respeitar a opinião do outro não quer dizer que tenhamos de compactuar com seus erros, não lhe mostrar o caminho correto ou deixar de falar da importância de obedecer à Palavra de Deus. Contudo temos que entender que às vezes o que chamamos de zelo se transforma em sufocar o outro.

Faça sua parte

Também é importante ressaltar que há pessoas que recebem ajuda e muitas vezes fazem da Igreja e dos que estão dispostos a ajudá-las apenas uma válvula de escape. São aquelas que frequentam um templo há anos, não se convertem e dizem que não conseguem deixar o pecado. Infelizmente quanto a elas, como o conselho ou a palavra não é capaz de mudar o que está dentro delas, é preciso que ela tome uma decisão.

Vale sempre lembrar que o cuidado com o próximo deve existir, pois amá-lo é um dos mandamentos de Deus e a missão dos pastores, obreiros e voluntários da Universal é obedecer a Deus e levar essa pessoa a conhecer de fato e de verdade o Senhor Jesus.

Espero que essa matéria faça você refletir. Você que ajuda é imprudente na hora de cuidar de uma alma? E você que tem sido ajudado reconhece esse cuidado como um auxílio ou uma cobrança? Nos dois casos, faça uma oração e peça a Deus que mostre a você como agir. A melhor forma de mudar é pedindo a Deus uma direção.


Ajuda quem não atrapalha
  • Maiara Máximo / Fotos: Getty Images e cedida 


reportar erro