Rede aleluia

Notícias | 24 de outubro de 2019 - 16:45


Acostumados a receber apenas indiferença, moradores de rua de Natal ganham cuidado e amparo social

Voluntários distribuíram sopa, kits de higiene e roupas para sem-tetos da capital do Rio Grande do Norte

Segundo o Boletim Epidemiológico 14 do Ministério da Saúde de 2019, Natal é a terceira cidade do Brasil com mais casos de violência contra pessoas em situação de rua. No entanto, ainda há quem pratique o bem e zele pelos moradores de rua, a exemplo dos voluntários do programa social Anjos da Madrugada, que, semanalmente, prestam auxílio a essas pessoas. 

Na noite desta terça-feira (22), os voluntários do programa distribuíram sopa, kits de higiene e peças de roupa na Avenida Rio Branco, em Natal (RN). Além disso, profissionais da beleza se dispuseram a realizar corte de cabelo, enquanto enfermeiros atendiam os moradores de rua fazendo curativos e aferindo a pressão. 

Segundo o responsável pelos Anjos da Madrugada em Natal, Max Serrão, a maioria das pessoas que se encontram ali vieram de outros estados para tentar conseguir um emprego, mas acabaram nas ruas. 

Max explica que as ações são realizadas nesse local há cerca de dois anos. “Sempre somos recebidos muito bem, pois isso dá a eles esperança e os conforta. Para nós, cada ação é uma oportunidade de ajudar essas pessoas a entender que existe uma saída, que nada está perdido.”

 “Costumo dizer para eles que se estamos com eles nesse momento, ainda que muito difícil, é a prova de que não estão esquecidos”, conclui o responsável. 

Saiba mais sobre o Anjos da Madrugada  

O programa social teve início na década de 1980, mas foi a partir de 2011 que recebeu o nome de Anjos da Madrugada.

Durante a noite, voluntários saem às ruas de todo o país para levar alimento, roupas e cobertores às pessoas em situação de rua. São realizados, também, atendimentos jurídicos e de saúde.  

Em 2018, os 23.551 voluntários do programa social atenderam 1.074.191 pessoas em situação de rua, como pedintes, ambulantes, catadores de papel e desabrigados.


  • Unicom / Foto: Cedida 


reportar erro