Rede aleluia
Acabando com a festa do mal
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCaraguatatubaCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 25 de Julho de 2021 - 00:05


Acabando com a festa do mal

Foi assim, com uma festa espiritual, que a Igreja Universal comemorou seus 44 anos. Saiba mais

Acabando com a festa do mal

No dia 9 de julho, a Igreja Universal comemorou 44 anos de existência e a data não poderia ser celebrada de outra forma que não fosse a que a tornou conhecida por onde quer que chegue: com o trabalho de libertação e combate ao mal que atua na vida das pessoas. “A nossa festa será colocar um ponto final na festa do diabo”, anunciou o Bispo Adilson Silva, responsável pelo trabalho da Universal em São Paulo, ao dar início à reunião realizada no Templo de Salomão, em São Paulo. Durante o encontro, o Bispo citou o exemplo bíblico de Sansão, que viu seus inimigos se alegrarem quando conseguiram amarrá-lo. Ele explicou que, como ocorreu com Sansão, o mal tem comemorado por manter muitas pessoas presas a problemas, como doenças, depressão, vícios, dívidas, miséria, que simbolizam “cordas”. Contudo, assim como Sansão foi posteriormente apoderado pelo Espírito do Senhor e acabou com a comemoração de seus inimigos, o Bispo ensinou que todos os que recebem o Espírito Santo também acabam com a festa do mal em suas vidas. Mas, para isso, é preciso “abrir o coração” para Deus, ou seja, se entregar a Ele e se sujeitar ao Seu poder. “O mal está por toda parte e esse não é o problema. O problema é você não ter o Espírito Santo e estar desprotegido”, disse. Por isso, o Bispo enfatizou que o raciocínio inteligente que as pessoas deveriam ter ao chegar à Igreja não é só de pedir oração, mas de querer o mesmo Espírito que está nos Bispos, Pastores e obreiros, que é o Espírito de Deus.

Uma jornada de Fé
Esse Espírito tem guiado a Universal desde aquele 9 de julho de 1977, em um galpão de uma antiga funerária no Rio de Janeiro, onde ela nasceu. Mas, apesar desta ser a data em que foi realizada a primeira reunião, o trabalho em prol dos sofridos começou muito antes, em um coreto, no bairro do Méier, também no Rio de Janeiro. Na época, nas tardes de sábado, munido da Bíblia e de uma caixa de som, o jovem Edir Macedo usava o espaço que acolhia moradores de rua e usuários de drogas para levar a Palavra que tinha mudado a sua vida e que tinha o poder de mudar a vida de todos que nEla cressem.

Ide por todo o mundo
Mais de quatro décadas depois, os números da Universal impressionam. A Igreja está em 136 países nos cinco continentes, com um total de 13 mil templos e 10 milhões de fiéis e simpatizantes no mundo todo – sendo 7 milhões apenas no Brasil. Seu corpo eclesiástico é composto por cerca de 17 mil Bispos e Pastores e 203 mil obreiros no Brasil e no exterior, todos dispostos a levar a fé inteligente aos que sofrem. Além dos cultos, o trabalho da Igreja segue 24 horas por dia pela TV, pela internet, pelo telefone e pelo rádio.

Por meio de seus projetos sociais, a Universal também supre a necessidade dos mais carentes. Apenas nos últimos 12 meses, foram 40 mil toneladas de alimentos doados e 18 milhões de pessoas atendidas em todo o mundo. A Igreja não parou nem mesmo durante a pandemia, o que dá relevância à essência da Universal, que é “dar”, conforme a orientação do próprio Senhor Jesus, como destaca o Bispo Adilson Silva em entrevista à Folha Universal: “a Igreja Universal tem um trabalho em que as pessoas se sacrificam pelas outras. É aquela Igreja que todos os dias está se doando pelo próximo”.

O Bispo ressalta que o nascimento da Universal trouxe um despertamento no meio evangélico e o seu crescimento mudou o sistema religioso no Brasil, em grande parte pela intensidade com que a Igreja levou o Evangelho para a mídia e usando uma linguagem mais acessível a todos. Esse impacto traz desafios diários, mas o Bispo enfatiza que eles fazem parte de uma “guerra” que é espiritual. “Quando você entra na luta por almas, você está entrando na maior guerra da história do Universo, que é a guerra do bem contra o mal e, então, você se posiciona contra o mundo”, explica.

Direção do Alto
Quem observa o crescimento vertiginoso da Universal pode pensar que ele é resultado de um árduo planejamento, mas o Bispo Adilson revela que a Igreja nunca faz planos para o futuro. “A Igreja segue a direção do Espírito Santo e o Espírito Santo é como o vento. Nós nunca sabemos para que lado ele vai. À medida que o Espírito Santo foi trazendo uma direção, a Igreja a seguiu e Deus a abençoou”, revela.

Aos que fazem parte desta grande família Universal, o Bispo aconselha: guardem a Fé. “Estamos vivendo um tempo de apostasia, tempos difíceis, os sinais de que estamos vivendo o Fim dos Tempos estão por toda parte. Então é tempo, mais do que nunca, de investir no espiritual, guardar a fé e o coração, porque estamos vivendo dias maus e não podemos correr o risco de, como diz o ditado popular, ‘nadar, nadar e morrer na praia’”.


Acabando com a festa do mal
  • Núbia Onara / Foto: Demetrio Koch 


reportar erro