Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 29 de julho de 2018 - 03:05


A Universal mundo afora

Bandeiras hasteadas na Esplanada do Templo de Salomão representam milhares de vidas alcançadas pelo trabalho da Igreja em mais de 100 países

Para quem não conhece o Templo de Salomão, em São Paulo, e vai visitá-lo pela primeira vez, a notável visão do Santuário é sempre impactante. A beleza e a grandeza do prédio, que fica no bairro do Brás, são repetidamente comentadas pelos visitantes.

A forma como são recebidas, a educação com que são tratadas e todos os cuidados com a segurança demonstrados no primeiro contato fazem as pessoas compreender que estão em um ambiente organizado e de paz espiritual. Mas essas são somente as impressões iniciais que elas têm ao conhecer o Templo. Quem chega à Esplanada, uma grande praça em frente à edificação, além de contemplar o lugar com admiração, logo percebe outras belezas que estão ali.

Jardim

Uma delas é o Jardim das Bandeiras, localizado no lado direito do Templo. Ali está colocado esse símbolo representativo de várias nações onde a Universal está presente. Quem observa as bandeiras vistosas, tremulando ao vento, nem percebe que, assim como em outros setores do Templo, há um trabalho de excelência para mantê-las dessa forma. Elas chamam atenção tanto daqueles que visitam o local pela primeira vez como de quem já participa regularmente das reuniões e palestras que são realizadas todos os dias no Santuário.

Qualidade

O técnico em elétrica Tiago Santana Guimarães, de 30 anos (foto a dir.), é uma das centenas de pessoas que trabalham para manter o Templo sempre em ordem. No almoxarifado, ele faz a distribuição de materiais utilizados em vários setores do Santuário. “Aqui é tudo dinâmico, é tudo muito grande, extraordinário. Temos que estar sempre atentos. Fazemos orçamentos e pedidos em função das necessidades do Templo e nos baseamos em pesquisas que avaliam a qualidade dos produtos. Também sou responsável pelas chaves das salas do Templo”, conta.

Atribuição

Tiago ainda possui outra atribuição: cuidar das 109 bandeiras que ficam na Esplanada. “Elas estão todas organizadas segundo a lei, em ordem alfabética e numeradas. Fazemos a manutenção delas e somos responsáveis por atualizar e incluir novas bandeiras. Nós as tiramos para lavar e se precisar também fazemos costura e trocas quando apresentam algum problema. Percebemos que aqui no Templo há vários climas diferentes no mesmo dia: faz sol, chove ou fica frio e isso faz com que se desgastem rapidamente. Por isso, estamos sempre fazendo vistorias e procurando saber o que é preciso melhorar”, explica.

Além da manutenção

Tiago conta que as bandeiras são trocadas três vezes por ano. A última troca ocorreu em maio passado. “Para mim, por mais simples que seja o trabalho de manutenção delas, existe uma representatividade muito grande nessa função. Não é simplesmente fazer uma troca, existe um propósito nisso. Toda vez que eu ergo uma bandeira nova ali, imagino Deus cuidando daquele lugar, daquele país. Vejo uma relação delas com a parte espiritual do trabalho: é mais um lugar em que a Igreja está evangelizando e em que o próprio Deus vai cuidar daquele povo”, afirma.

Respeito a todos

Para o Bispo Douglas Silva, de 40 anos, gestor do Templo de Salomão e responsável pela coordenação de todo o trabalho de manutenção no local, há uma relação entre o Santuário e as bandeiras. “O Templo de Salomão foi construído para todos os povos e vemos isso na criação do Jardim das Bandeiras, que ganhou um lugar de destaque na Esplanada desta grande obra e exibe as bandeiras dos países onde o Evangelho de Jesus Cristo é pregado pela Universal. A exposição deste símbolo de orgulho, amor e devoção à pátria é uma forma de demonstrarmos o respeito a todos os povos, nações e línguas”, conclui.

Levando a Palavra

A última bandeira hasteada nos jardins do Templo de Salomão foi a da Libéria. O país, localizado na costa oeste da África, está representado na Esplanada desde outubro do ano passado. Assim como muitas outras nações do continente africano, o país passou por uma guerra civil. O povo liberiano sofreu com um conflito que durou 14 anos e trouxe consequências devastadoras para a vida de todos, uma vez que deixou milhares de mortos e arruinou a economia local. Agora todos buscam se reerguer. Para auxiliar nesse trabalho, a Universal está presente no país desde março de 2017, quando inaugurou o primeiro Templo em Capitol Byepass, região da capital do país, Monrovia, para levar a Palavra aos que necessitam e resgatar almas.


  • Por Eduardo Prestes / Fotos: Demetrio Koch 


reportar erro