Rede aleluia
A Troca das Bandeiras reuniu 12 mil pessoas em São Paulo
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
GaranhunsRecife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCaraguatatubaCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 15 de Maio de 2022 - 00:05


A Troca das Bandeiras reuniu 12 mil pessoas em São Paulo

142 países contemplados pelo trabalho da Universal foram homenageados no Templo de Salomão e uma nova bandeira foi hasteada no local

A Troca das Bandeiras reuniu 12 mil pessoas em São Paulo

Mais do que a identidade visual de uma nação, as cores e símbolos de uma bandeira revelam a história, as lutas e os valores daquele povo. Cada um dos 142 países com bandeira hasteada no Templo de Salomão, em São Paulo, tem sua singularidade, mas a união dessas bandeiras na Esplanada revela uma coisa em comum: a atuação da Universal no âmbito espiritual e evangelístico e, também, seu auxílio humanitário e social ao povo daquela nação.

Por conta do desgaste natural ocasionado pela exposição ao clima, essas bandeiras precisam ser substituídas de tempos em tempos. A segunda Solenidade da Troca das Bandeiras foi realizada no último dia 7 de maio a partir das 16 horas. Representantes diplomáticos estrangeiros de 30 países e autoridades nacionais estiveram presentes no evento, que contou com a presença de 12 mil pessoas.

Além da simbologia
Antes do hasteamento das bandeiras, o Bispo Renato Cardoso, responsável pela Universal no Brasil, explicou que “o Senhor Jesus convocou os Seus discípulos e lhes deu uma ordem: ‘Ide por todo o mundo, pregai o evangelho a toda criatura. Quem crer e for batizado será salvo; mas quem não crer será condenado’ (Marcos 16.15-16). A ordem foi que nós levássemos o Evangelho, não uma religião. O Evangelho é uma mensagem do Próprio Deus para o ser humano. Então, cada uma dessas bandeiras representa um país onde a Igreja Universal já chegou levando essa mensagem”.

O Bispo também transmitiu uma mensagem de fé sobre a conquista e o bem mais precioso do mundo: a Salvação da alma. Embasado na passagem bíblica de Marcos 8.36 – “pois, que aproveitaria ao homem ganhar todo o mundo e perder a sua alma?” –, o Bispo lembrou que muitos países já tentaram conquistar o mundo, mas nunca obtiveram sucesso. “Jesus disse que, ainda que alguém conseguisse esse feito, o que aproveitaria se perdesse a sua alma? Ou seja, mais valiosa do que o mundo todo é a alma. Isso nos iguala porque a alma não tem nacionalidade, cor, sexo ou status social. Todo mundo tem dentro de si algo que é mais valioso do que o mundo inteiro. Não adianta você conquistar o mundo, ter muito dinheiro, o amor das pessoas, admiração, fama, poder, nada disso, se, no final, você perder a sua alma”, ressaltou.

O hasteamento e o trabalho da Universal
O ato cívico contou com a Orquestra da Polícia Militar de São Paulo, que executou famosos hinos cristãos e o Hino Nacional. O hasteamento das bandeiras foi acompanhado com reverência por voluntários, membros e simpatizantes da Igreja Universal.

Como uma homenagem às mulheres, cada bandeira nacional foi içada por uma representante feminina do respectivo país. A bandeira da Alemanha, por exemplo, foi hasteada pela brasileira Fátima Ferraz, (foto abaixo) de 51 anos, casada há quatro anos com o alemão Klaus Ferraz Kist, de 56 anos. Ela fez questão de ressaltar o quanto se sentiu privilegiada por representar o país europeu em que ela e seu esposo auxiliam no ganho de almas. “Deus nos escolheu para estar aqui. Realmente foi algo inesquecível e jamais me esquecerei deste dia. Tenho certeza que, assim como levantamos a bandeira, a Alemanha vai ser levantada espiritualmente”, contou.

O ministro das Relações Exteriores do Brasil, embaixador Carlos França, participou do evento, ao lado de outros embaixadores e cônsules estrangeiros, e ressaltou o quão impressionante é uma igreja de origem brasileira ter se desenvolvido em 142 países para difundir a Palavra de Deus. Ele apontou que no exterior “as comunidades religiosas, sobretudo as igrejas evangélicas, têm um papel muito grande no acolhimento do imigrante brasileiro, no ensino e difusão não apenas religioso, mas, também, da língua portuguesa e no trabalho de aculturamento, de modo que, realmente, complementa o trabalho consular. Por isso, procuramos nos aproximar dessas organizações civis, entre elas, a Universal, que está por todo o mundo”.

A Bandeira acima das bandeiras
Ao todo, foram hasteadas 144 bandeiras. Dessas, 142 representam os países em que a Igreja Universal cumpre a ordem do Senhor Jesus – “Ide e pregai o Evangelho” –, representando cerca de 70% das nações do mundo. As duas bandeiras adjacentes são a da própria Igreja Universal, alocada entre a Bandeira do Brasil e a de Israel; e a nova bandeira que agora se destaca, estando acima das demais, com o lembrete de Êxodo 17.15: “O SENHOR é a minha bandeira”.

Durante a solenidade, o Bispo Renato Cardoso explicou que “essa nova bandeira representa a paz sobre todas as nações”. Em seguida, ele fez uma oração por todos os países em prol da paz e da iluminação da mente de líderes e autoridades governamentais para que pensem na justiça e façam o que é certo para suas nações.

*Colaborou: Michele Roza


A Troca das Bandeiras reuniu 12 mil pessoas em São Paulo
  • Laís Klaiber / Fotos: Demetrio Koch 


reportar erro