Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 11 de junho de 2017 - 03:00


A prisão do bispo Macedo

Nesses 40 anos da Universal, relembramos um dos momentos mais difíceis vividos pelo líder da Igreja. Leia

O ano era 1992. Mais precisamente, dia 24 de maio. O dia que marcaria para sempre a história e o ministério do bispo Edir Macedo. “É um choque muito grande, uma agressão violenta. Só quem já ficou atrás das grades pode explicar exatamente o que significa”, disse o bispo em trecho do livro “O Bispo”, em que conta a sua trajetória de vida. Na obra, ele relata com detalhes como foi passar 11 dias encarcerado.

As acusações eram charlatanismo, curandeirismo e estelionato. “Charlatão? Curandeiro? Por quê? Porque prego o poder da oração pela fé? Porque prego o que a Bíblia ensina? A quem eu enganei? A quem eu ultrajei? A quem eu fiz mal? Quem foi prejudicado pelo meu trabalho? Quem?” – rebateu ele. Além de considerar indevidas as acusações, a revolta do bispo tinha outro motivo: a truculenta abordagem dos policiais.

O momento da prisão

Naquele mesmo dia, um domingo à tarde, ele saía de um culto realizado em um templo da Universal em Santo Amaro, na zona sul da capital paulista. Dirigia acompanhado da esposa, Ester Bezerra, e da filha Viviane, na época com 17 anos, quando várias viaturas começaram a segui-lo e ordenar que parasse o carro. Obedecendo à ordem, o veículo foi cercado e policiais fortemente armados o renderam. Uma cena que mais parecia um sequestro do que uma prisão. “Foi uma cena terrível. O pastor Laprovita Vieira vinha no carro de trás e tentou evitar que o levassem. Até mostrou a carteira de deputado federal. Os policiais empurraram a carteira, jogaram o meu marido dentro de um dos carros e saíram em alta velocidade”, conta Ester.

Sem nenhuma explicação, ele foi colocado em uma viatura e levado primeiro para o Departamento de Investigações Criminais de São Paulo (Deic), e em seguida para uma cela no 91º Distrito Policial, na Vila Leopoldina. “A Igreja Universal tem a mesma doutrina há 30 anos, e ela só cresce em todo o mundo. E por que cresce? Porque as pessoas estão sendo enganadas? Estão sendo vítimas de estelionato? A Igreja cresce em países desenvolvidos e não sofre preconceito como em nosso país” – argumentou o bispo. A partir de sua prisão, se iniciaria uma rotina de interrogatórios, entrevistas, visitas de advogados e familiares. O primeiro pedido para a esposa seria uma Bíblia. “Eu não teria forças para suportar os dias preso sem a Palavra de Deus. O ânimo de que eu precisava estava no que o Espírito de Deus iria me falar na leitura do Texto Sagrado”, confidencia o bispo Edir Macedo em sua biografia “Nada a Perder 1”.

Mobilização A primeira semana se passou e membros da Universal iniciavam manifestações exigindo a libertação de seu líder. Obreiros, pastores e frequentadores da Igreja organizaram até vigílias na porta da delegacia, que chegou a ser “abraçada” pelos fiéis em oração (veja acima). Ao ver a indignação dos populares, a delegada de plantão, Sílvia Souza Cavalcanti, pediu ao bispo que gravasse uma mensagem para a rádio para acalmar os ânimos. “Só peço às pessoas que fazem parte destafamília Universal do Reino de Deus que orem e façam jejum para que venhamos sair daqui o mais rápido possível. Que Deus, no tempo certo, venha nos livrar e possamos então comungar juntos a fé cristã. Eu quero agradecer o carinho de todos nesses momentos difíceis. Conto com a oração de cada um. Muito obrigado”, disse. O bispo teve de acalmar e consolar pessoas num momento em que ele mesmo necessitava de apoio. Na época, políticos, celebridades e líderes religiosos também demonstraram apoio a ele e repúdio à prisão.

Inimigos

Na década de 1990 já existiam 4 mil templos da Universal de Norte a Sul do País. Realmente, um número impressionante, que incomodou muitos “poderosos” da época. “Eu tinha e tenho muitos inimigos. O clero católico, a Rede Globo, a gente poderosa usada por eles. Eu até entendo tantos ataques, realmente há motivos para isso. A Igreja Universal incomoda. Nós assustamos. Nosso crescimento assustou muita gente na época da minha prisão e continua assustando até hoje”, revela o bispo na publicação.

Prova disso é que a presença desses inimigos foi constante desde o primeiro dia da prisão. Quando o bispo chegou à delegacia, já havia câmeras a postos, prontas para registrar o momento. No mesmo dia, as imagens apareceram em um famoso programa dominical.

Outro momento estranho foi quando um padre assistiu a um dos interrogatórios, enquanto fazia anotações. “Em todos os meus depoimentos, nunca era permitida a entrada de ninguém, mas naquele dia havia um padre. E, ainda por cima, o juiz me fez uma pergunta pouco importante ao processo: queria saber se, com minha prisão, havia diminuído o número de pessoas na Igreja”, lembra. “Pelo contrário, excelência, aumentou mais ainda”, respondeu.

Liberdade

Enquanto isso, dois pedidos de habeas corpus já haviam sido negados e os advogados do bispo Macedo tentavam emplacar mais um. Uma verdadeira guerra judicial. No julgamento do terceiro pedido de habeas corpus, Thomaz Bastos, advogado de defesa, conseguiu desbancar a promotoria. Edir Macedo possuía bons antecedentes, família, residência fixa e nunca se recusou a prestar esclarecimentos sobre as acusações, então não havia necessidade de manter a prisão preventiva. Oargumento convenceu os desembargadores que, por 3 votos a 0, decidiram pela liberdade do bispo. “Estamos diante de um caso em que vão entrar em jogo princípios extremamente importantes, como a intolerância, o preconceito, o conflito entre as religiões, o princípio da liberdade de culto. Questões fundamentais para que o Brasil construa realmente um regime democrático”, declarou Thomaz Bastos, após a vitória.

No dia 3 de junho, uma quarta-feira, o bispo Edir Macedo foi solto. Mas, antes de sair, recolheu os seus pertences, cumprimentou os colegas de cela um a um e ordenou que pastores distribuíssem Bíblias para todos, inclusive funcionários. De cabeça erguida, foi da delegacia direto para o templo de onde havia saído no domingo da prisão (veja na foto acima). Era noite e a igreja estava lotada por fiéis, pastores e obreiros. O bispo subiu ao altar e fez um discurso falando o que vivera, rebateu acusações e testemunhou como a fé o havia sustentado em meio a tribulação.

Quinze anos depois do ocorrido, em depoimento para o livro “O Bispo”, ele refletiu sobre a razão de viver dias tão difíceis: “A prisão foi um marco em minha vida. Eu não entendi naquele momento, mas foi a minha válvula de escape. Muitos esperavam que eu deixasse a cadeia morto, mas aconteceu exatamente o contrário. É o que eu repeti o tempo todo e é em que acredito, está na Bíblia: tudo coopera para o bem daqueles que amam a Deus.

40 anos

Continue acompanhando as matérias especiais produzidas pelo Universal.org que relatam a trajetória da Igreja Universal em 40 anos de existência.

Compartilhe nas redes sociais.


  • Por Rafaella Rizzo / Fotos: Epitacio Pessoa - AE - Demetrio Koch - Cedida - Reprodução 


reportar erro