Rede aleluia
A pandemia é pretexto para perseguir igrejas?
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 10 de julho de 2020 - 20:00


A pandemia é pretexto para perseguir igrejas?

Jornalista dos EUA acredita que isso está sendo feito

A pandemia é pretexto para perseguir igrejas?

A Califórnia (EUA) acaba de proibir os cristãos de recitarem orações em grupo ou cantarem em suas igrejas. De acordo com a CNN local, o governador Gavin Newsom afirma que essa é uma medida para combater a pandemia de COVID-19.

Para a jornalista cristã californiana Missy Crane, esse é um ataque direto ao cristianismo. Isso porque orar em grupo e louvar os hinos cristãos são tradições cristãs há séculos. Ela descreveu a nova lei como “mesquinha e odiosa”, com espaço para a execução, porque a mídia voltou a “vender o pânico de COVID-19”.

“O absurdo disso tudo é que você pode se juntar a centenas de milhares de pessoas e saquear, se revoltar e protestar. Tudo isso sem nenhum problema. Mas não pode cantar na igreja”, criticou Crane.

Pelo mundo

Califórnia, entretanto, não é o único Estado a tomar decisões como essa. Na Inglaterra, por exemplo, após as igrejas permaneceram fechadas por mais de três meses, a reabertura chegou junto com a orientação para os cristãos “não cantarem, nem realizarem ofertas em dinheiro”.

Outros países, como China, Kwait, Alemanha e Índia também fecharam as igrejas. Já a Coreia do Sul ameaçou adicionar as igrejas aos “locais de risco extremo” durante a pandemia.

Todas essas ações são tomadas em nome do “combate à pandemia”. Entretanto, pouca ou nenhuma evidência científica é apresentada comprovando a validade das medidas. Nos EUA, por exemplo, o presidente Donald Trump, conhecedor dos números da pandemia em todo o país, não legislou pela proibição de cantos nas igrejas. Por que somente seu adversário político Newsom teve essa atitude?

Por aqui não é diferente

No Brasil está claro o desacordo de prefeitos e governadores em relação às medidas recomendadas pelo Ministério da Saúde, principal entidade médica nacional. Exemplificando: enquanto o presidente Jair Bolsonaro defende o exercício da fé como “atividade essencial”, a prefeitura de Pinheiro Machado (RS) proibiu a abertura das igrejas. Ao liberar, permitiu apenas um culto por semana. Muitos outros fizeram o mesmo.

Já em Goianésia (GO), as igrejas podem ser abertas apenas às terças-feiras até às 21h. Qual seria a lógica? Após esse horário o novo coronavírus é mais perigoso? Há evidência científica que ateste a terça-feira como o dia mais seguro da semana?

Também em Goiás, na cidade Formosa, os templos religiosos podem ser abertos apenas aos domingos. O domingo é mais seguro do que a terça? Ou do que qualquer outro dia? Aparentemente, a escolha do dia é apenas um ato arbitrário tomado por governantes contra as igrejas.

Além do fechamento

Outro abuso cometido é o limite surreal de pessoas nos templos. A cidade Sapucaia do Sul (RS), chegou a permitir apenas dez pessoas dentro da igreja, independentemente do tamanho dela. Hoje, o limite é 30 pessoas, desde que não ultrapasse 25% da capacidade local. Não importa se 25% da capacidade local sejam 50 pessoas, somente 30 poderão entrar. E aos sábados e domingos (dias em que, normalmente, as pessoas não trabalham e podem ir ao templo exercitar sua fé), é proibido abrir a igreja.

Em São Bernardo do Campo (SP), a perseguição vai além: não só são proibidos dízimos e ofertas, como também é limitada a duração dos cultos a 60 minutos. A pergunta é: há evidência científica para essa limitação de tempo?

Como afirmou Missy Crane, o que governantes estão fazendo em relação a igrejas “é pura insanidade”.

“Espero que todos aqui estejam bem acordados e vejam exatamente o que está acontecendo e comecem a falar, verdadeiramente, em voz alta. Antes que não tenhamos nada mais pelo que lutar”, conclamou a jornalista.

Defendendo o direito da população

No Brasil, todos os cidadãos são livres para praticarem sua fé. Inclusive, durante tempos tão difíceis quanto à pandemia, em que as pessoas estão ficando cada vez mais deprimidas, a prática da fé se faz extremamente necessária para salvar vidas.

Por isso, a Unigrejas tem atuado, como representante de inúmeras igrejas cristãs, em busca da flexibilização da quarentena para que as igrejas possam receber os cidadãos. O objetivo é ajudar aos mais necessitados, sempre respeitando as medidas de segurança e higiene recomendadas pelo Ministério da Saúde.

O responsável pela Unigrejas, Bispo Eduardo Bravo, explica como o grupo tem atuado:

“Conversamos com mais de mil prefeituras, em todo o Brasil, buscando a flexibilização para as reuniões e o entendimento de que as igrejas fazem parte de um serviço essencial”.

Conheça mais sobre o trabalho da Unigrejas, clicando aqui.


A pandemia é pretexto para perseguir igrejas?
  • Redação / Foto: Getty Images 


reportar erro