Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 21 de fevereiro de 2019 - 11:57


A oração da “última hora”

Trabalhadores da cidade de Brumadinho oraram o Pai Nosso quando perceberam que poderiam morrer na tragédia

O mês de janeiro ficou marcado por diversas tragédias e perdas, dentre elas, o mar de lama de quase 12 milhões de metros cúbicos de rejeitos que varreu a comunidade local de Brumadinho, em Minas Gerais, e parte do centro administrativo e do refeitório da empresa Vale do Rio Doce, responsável pela barragem da cidade, que ficava na mina do Córrego do Feijão.

Até o momento, cerca de 169 corpos foram encontrados e 141 pessoas estão desaparecidas. Destas, 37 são funcionários da Vale e outras 118 são de empresas terceirizadas e de comunidades que foram atingidas pela lama.

Mas, para algumas pessoas, o dia 25 de janeiro também ficará marcado por uma nova chance de vida. Entre os sobreviventes da tragédia estão três homens. Eles estavam em uma caminhonete branca correndo de um lado para outro, tentando não serem atingidos pela lama. A cena foi gravada por uma das câmeras de segurança da empresa. Mas, o que o equipamento não conseguiu captar foi a oração que eles fizeram, pedindo a Deus para livrá-los da morte.

A oração do Pai Nosso

Após a barragem estourar, a lama, em poucos minutos, devastou tudo o que havia pela frente. Desesperados, os trabalhadores resolveram apelar para Deus e colocaram em prática a oração que Jesus ensinou.

“… De repente, começamos no desespero gritar pelo nome de Deus. Orar o Pai Nosso na maior altura. Pedimos a Deus: ‘Perdoa nossa vida… Entregamos nossa vida…’”, contou um dos sobreviventes.

Durante a Palavra Amiga do dia 6 de fevereiro último, o Bispo Edir Macedo descreveu a situação acima como um milagre. Ele também reforçou que a oração é extremamente importante para a sobrevivência neste mundo.

“Aquelas pessoas estavam no sufoco e apelaram para a Palavra de Deus, para o conselho de Jesus; eles oraram e foram salvos milagrosamente”, comentou o Bispo.

O exercício da fé

O Bispo ainda esclareceu que a oração é o exercício da fé e, por isso, não podemos deixar de praticá-la, seja nos momentos bons ou ruins.

“Você sabia que a fé tem que ser exercitada, a fim de que traga benefícios para nós? Quando falamos de fé prática, estamos falando da fé inteligente, racional, a fé que pensa e raciocina. A oração é um ato de fé, um exercício dela, pois quando a pessoa ora, ela se conecta com Deus e se mantém, pelo menos durante aqueles momentos em que ela está orando, em uma comunhão com Ele”, explicou.

Assista ao vídeo abaixo e veja a mensagem completa do Bispo Macedo sobre o exercício da fé:


  • Sabrina Marques / Foto: iStock 


reportar erro