Rede aleluia
“A minha vida era toda amarrada, nada dava certo”
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
GaranhunsRecife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCaraguatatubaCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
Baln. CamboriúBlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 24 de Novembro de 2022 - 19:47


“A minha vida era toda amarrada, nada dava certo”

Conheça a história de Glenio e saiba como ele alcançou a libertação

“A minha vida era toda amarrada, nada dava certo”

Glenio Mantovani, de 41 anos, conta que influenciado pelas fake news tinha muito preconceito contra a Universal e odiava o Bispo Edir Macedo, mesmo sem conhecê-lo.

Em contrapartida, era uma pessoa depressiva, com muitos problemas espirituais: via vultos, ouvia vozes e constantemente pensava em suicídio.

Quadro geral:

Sua família também era completamente destruída e em meio a tantos acontecimentos ruins, a mãe dele começou a frequentar a Universal, ao lado da irmã.

No entanto, embora ele tenha visto uma mudança nelas, só em saber que era na Universal que elas estavam indo, ficou com raiva delas, alegando que estavam dando dinheiro para um “ladrão”.

O que veio a seguir:

Mesmo sofrendo, ele recusava todos os convites da mãe para ir à igreja. Seu preconceito e orgulho não permitiam.

“Por diversas vezes, eu estava andando na rua e tive vontade de me jogar na frente de um caminhão. Eu nunca conseguia ser feliz na vida sentimental. [Profissionalmente], até fiz faculdade, pós-graduação, mas não conseguia emprego. A minha vida era toda amarrada, nada dava certo”, confessa.

Convite finalmente aceito:

Até que um dia, depois de muita insistência da irmã, ele cedeu e aceitou o convite para ir à igreja.

“Naquela mesma noite, eu comecei a dormir bem e a me sentir feliz. Na mesma semana, fui convocado para um trabalho. A partir dali, a minha vida foi mudando”, conta.

Acompanhe o vídeo e saiba como é a vida dele hoje:

Participe você também da Corrente de Libertação, que acontece todas as sextas-feiras, na Universal. Consulte aqui o endereço mais próximo de sua casa. 


“A minha vida era toda amarrada, nada dava certo”
  • Jeane Vidal / Foto: Reprodução 


reportar erro