Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 10 de julho de 2018 - 03:05


A importância do sono de qualidade

Saiba como manter a rotina ideal de descanso

Com o objetivo de ter mais tempo para estudar ou trabalhar, muitas pessoas sacrificam suas noites de sono. Mas, ao contrário do que pensam, elas não estão colhendo benefícios. Uma pesquisa, com a participação da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (USP), mostrou que estudantes tinham melhor desempenho em tarefas que exigem controle dos movimentos do corpo às segundas-feiras, depois de descansar mais durante o final de semana.

Alunos do Instituto Federal do Sudeste de Minas Gerais usaram um relógio de pulso para medir a atividade física e distinguir os períodos de sono, repouso, vigília e atividade. Eles também responderam a questionários e passaram por vários testes.

“Acredita-se que as obrigações sociais reduzem os períodos de sono, o que pode levar a problemas de atenção e concentração, além de mudanças abruptas nos horários de dormir e sonolência”, disse Guilherme Umemura, que integrou a pesquisa, em entrevista ao Jornal da USP.

A explicação para os sintomas é que as áreas do cérebro mais sensíveis à privação do sono são as responsáveis pela cognição e pela integração sensorial.

De acordo com Fábio Porto, neurologista do Hospital das Clínicas, o organismo pode ter outra série de malefícios pela falta de sono. “O descanso é fundamental para se ter energia, motivação, conseguir se concentrar, aprender, regular os hormônios e outras funções vitais”, diz.

O especialista acrescenta que a falta de sono de qualidade constante pode resultar em doenças como diabetes, pressão alta, problemas na memória, depressão, ansiedade e excesso de peso.

Higiene do sono

Todos nós já ouvimos que o correto é dormir 8 horas por noite. Mas Porto desmente a ideia e afirma que o tempo ideal de descanso varia de pessoa para pessoa. “Em média um adulto jovem tem que dormir de 6 a 9 horas e conforme envelhece esse tempo diminui. Mas a quantidade de horas não é o mais importante, mas a qualidade. O sono tem de ser reparador e há pessoas que dormem 5 horas, mas ficam dispostas”, conclui.

O neurologista enumera uma série de dicas de como você pode ter um sono de qualidade. Veja abaixo:

– Crie a rotina de ir para a cama e acordar no mesmo horário;

– Deixe o quarto escuro, com uma temperatura agradável e cama confortável;

– Evite bebidas com cafeína e refrigerante de cola depois das 18h;

– Evite o uso de TV e celular na hora de dormir. Este último emite a luz azul, que quando chega ao olho, manda a informação para o cérebro de que é dia e ele para de produzir o hormônio que faz dormir.

E quando o problema é espiritual?

Há pessoas que mesmo com todos os cuidados não conseguem dormir, ficando atormentadas, tensas e oprimidas durante a noite. De acordo com o Bispo Edir Macedo, esses casos podem significar a presença de um espírito maligno em sua vida. “Os espíritos alojados em suas mentes fazem com que não tenham sossego, mesmo durante a noite. A pessoa pode até estar muito cansada, mas o sono não aparece. Os espíritos têm prazer em nos ver torturados pelo sofrimento, aflitos, angustiados”, afirma o Bispo no livro “Orixás, Caboclos e Guias: deuses ou demônios?”.

Em seus mais de 50 anos de ministério, o Bispo identificou uma série de “sintomas” que revelam a presença de um mal espiritual na vida de alguém:

1 – Nervosismo

2 – Dores de cabeça constantes

3 – Insônia

4 – Medo

5 – Desmaios ou ataques

6 – Desejo de suicídio

7 – Doenças que os médicos não descobrem as causas

8 – Visões de vultos ou audição de vozes

9 – Vícios

10 – Depressão

Se você sofre com um ou mais deles e quer ser livre, participe da reunião de libertação que acontece às sextas-feiras em toda a Universal. Encontre o endereço do templo mais próximo de sua casa clicando aqui.


  • Por Rafaella Rizzo / Fotos: iStock 


reportar erro