Rede aleluia
A importância da socialização na velhice
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 3 de fevereiro de 2020 - 12:43


A importância da socialização na velhice

Pesquisa mostra os impactos que os vínculos sociais – e não apenas os familiares – têm para um envelhecimento com qualidade

A importância da socialização na velhice

A figura da idosa na poltrona fazendo tricô de pijama e pantufas ou tomando uma xícara de chá precisa ser aposentada. Atualmente, o que se vê como parte de um envelhecimento de qualidade não é apenas ter sossego e conforto, mas o estabelecimento de vínculos sociais. Essa informação consta de uma pesquisa realizada por especialistas das universidades dos Estados da Georgia e da Flórida, nos Estados Unidos.

O estudo buscou entender como o ritmo social pode interferir no envelhecimento, levando em conta a disponibilidade de tempo do idoso e o fato de estar viúvo. O levantamento concluiu que o trabalho e o voluntariado atuam como moderadores das condições crônicas e das limitações típicas dessa fase. E também apontou que quando há um engajamento produtivo do idoso em atividades há também diminuição dos riscos de mortalidade, uma vez que, além de favorecer mais engajamento físico e interação social, a socialização oferece também maior saúde física e mental. Por isso, o envolvimento entre os idosos foi visto como elemento-chave no processo do envelhecimento bem-sucedido.

O professor-assistente de sociologia Ben Lennox Kail, da Universidade de Georgia, um dos autores do estudo, chegou a mencionar que, entre viúvos, “foi possível observar que oferecer 100 horas por ano de voluntariado reduz a solidão a um nível parecido com o de quem não perdeu uma pessoa tão próxima. Isso foi algo que nos deixou muito felizes”.

TROCA FUNDAMENTAL
O estudo confirmou ainda que as trocas humanas são essenciais. Em entrevista à Folha Universal, Vicente Faleiros, especialista em gerontologia da Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia (SBGG), explica que, no envelhecimento, há trocas conhecidas como intergeracionais e intrageracionais. As ações intergeracionais buscam integrar não apenas idosos a outros idosos, mas também ligá-los a jovens, adultos, adolescentes e crianças, o que ajuda a desconstruir estereótipos que ainda envolvem a idade. Já as trocas intergeracionais ocorrem entre gerações, como entre avós e netos. “Elas permitem uma aprendizagem enriquecedora”, ressalta.

Faleiros observa que uma das consequências do isolamento social pode ser a depressão. Para ele, o fato de participar de grupos de convivência e de voluntariado pode contribuir para reduzir ou superar esse quadro. “Os idosos podem encontrar um lugar de expressão pessoal, de suas potencialidades, de troca, de amizade e de reconhecimento.”

REDE DE APOIO
A aposentada Darli Salvador Ribeiro, (foto abaixo) de 76 anos, de Belo Horizonte, Minas Gerais, conta que, em abril de 2018, ficou viúva. “Me deparei com a realidade da falta de um companheiro fiel, leal, amigo, provedor de 58 anos, de convivência lado a lado”, relata.

Nesse período, ela conheceu o Grupo Calebe, projeto apoiado pela Universal, que presta assistência social e espiritual à melhor idade. O grupo tem beneficiado milhares de pessoas por meio de atividades como dança, ginástica, artes marciais, artesanato, serviços de saúde, cursos de informática, smartphone e idiomas, entre outros. Só em 2019, por exemplo, mais de 2 milhões de idosos foram beneficiados em todo o País pelo projeto.

“No grupo, me deparei com diversas atividades e me senti amparada, pois convivia com mulheres que também tinham passado o mesmo que eu e venceram. O trabalho no artesanato, as conversas agradáveis e o convívio com outras pessoas começaram a fazer parte da minha vida. Pouco depois eu já podia acolher outras mulheres e pessoas que também chegavam com suas dores”, relata Darli.

O Bispo Antonio Santana, responsável pelo grupo Calebe no Brasil, aponta que o trabalho realizado tem ajudado não apenas a levantar a autoestima dos idosos, mas “a integrá-los na sociedade e faz com que se sintam acolhidos e valorizados.” Ele destaca que “a melhor idade ainda é vista por muitos como uma fase reclusa, monótona e parada, mas que o grupo tem mostrado exatamente o contrário”.

PROTAGONISMO
Observarmos que o idoso tem cada vez mais deixado de lado o papel de coadjuvante para assumir o de protagonista na sociedade. E esse processo tende a se acelerar com a transição demográfica. Atualmente, há no País cerca de 29,3 milhões de brasileiros acima dos 60 anos, de acordo com o Ministério da Saúde, o equivalente a 14,3% da população, e as estimativas apontam que, em 2030, o número de idosos deva ultrapassar o de crianças e adolescentes de zero a 14 anos. Portanto eles devem ser sempre valorizados e ver respeitadas as características que apresentam nessa fase.


A importância da socialização na velhice
  • Flavia Francellino / Fotos: Arquivo pessoal e getty images 


reportar erro