Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 17 de fevereiro de 2020 - 13:40


A fé que leva uma pessoa a obter o milagre da cura total

Robson enfrentou um grande desafio em sua vida ao ser diagnosticado com câncer. Saiba mais sobre essa história

É a fé que leva uma pessoa a Deus, seja para conquistar ou manter a Salvação e, claro, obter o milagre da cura total. E você vai entender melhor sobre isso conhecendo a história do Pastor Robson Henrique Ribeiro, de 30 anos, atualmente responsável pelo trabalho da Universal do Colégio, bairro da zona norte do Rio de Janeiro.

Ele conta que, há aproximadamente um ano e meio, foi diagnosticado com uma grave doença: um câncer do tipo linfoma de Hodgkin, que afeta parte do sistema imunológico.

Há 11 anos na obra de Deus como pastor (sendo seis deles na Inglaterra), na época, ele estava casado havia apenas nove meses.

O tratamento e a determinação

Conforme essa doença progride, tende a limitar a capacidade do organismo de combater infecções. Os gânglios linfáticos no pescoço, nas axilas ou nas virilhas podem inchar. A pessoa pode sentir alguns sintomas como fadiga, febre e calafrios. E, o tratamento inclui quimioterapia e radioterapia.

O Pastor conta que começou a sentir pequenos nódulos no lado direito do pescoço. Fez uma biópsia. Logo após, os nódulos começaram a crescer assustadoramente. Outros exames mostraram que a doença já estava avançada, em estágio 4, e se espalhado pela clavícula, pulmão e baço.

“É algo, claro, que eu e minha esposa jamais esperávamos. Afinal, estávamos fazendo a obra de Deus, vivendo uma vida de sacrifícios, e muito felizes nos primeiros meses de casamento. Antes mesmo de pegarmos os resultados dos exames, já começamos a agir a nossa fé. Então, recebemos um diagnóstico bastante negativo. Nós tínhamos duas opções: ou viveríamos o que pregamos, ou abandonaríamos a fé de uma vez por todas. Continuamos fazendo as correntes na Igreja, votos, sacrifícios, orações”, relata.

O Pastor Robson iniciou, então, a quimioterapia. Foram seis meses de tratamento. Quem passa por esse processo, normalmente, perde os cabelos e muito peso, tem enjoos, vômitos, diarreia ou constipação. Mas, ele não precisou nem de cateter. Não aparentava estar doente. Nem ele, nem a sua esposa o viam assim.

“Fiz o tratamento todo em vias venosas, o que já é um excelente sinal. Além disso, não fiquei careca, não perdi peso, não fiquei prostrado. Porque, na minha cabeça, eu já estava curado. Percebemos que eu tinha que enfrentar a quimioterapia. Foi, então, que, pela fé, determinamos que aquele tratamento não iria me afetar em nada. E, apesar de a médica dizer que eu poderia passar por tudo isso, decidimos crer que, a exemplo dos heróis da fé, Deus iria fazer a diferença na minha vida”, declara.

A perseverança é fruto da confiança

Segundo o Pastor, a médica que o acompanhava no tratamento dizia que a eficácia não era uma garantia, e sim uma tentativa.

Ele continuava a sacrificar, fazer votos, correntes, orações e jejuns. Pois, cria que o que garantia a sua cura não era o tratamento em si, mas, Deus que, por meio dos médicos e das medicações, restabeleceria a sua saúde.

“Então, o meu corpo deu 100% de resposta ao tratamento. A doença foi controlada, todos os nódulos sumiram. Hoje estou curado, não precisei de nada além do tratamento inicial. O que levo para minha vida com essa experiência, sobretudo, é a confiança em Deus. Porque nem sempre as coisas vão acontecer da maneira que queremos ou esperamos. Vai acontecer da maneira que Deus permite para fortalecer e amadurecer a nossa fé, para termos experiência a fim de podermos ajudar outras pessoas”, afirma.

E conclui: “A perseverança é fruto da confiança. Nunca deixei de agir a minha fé, persisti nos propósitos e correntes da Igreja. Minha esposa e eu vivemos de sacrifício em sacrifício, de fé em fé, e sei que foi por isso que Deus nos honrou. Claro que passamos momentos difíceis e lutamos contra pensamentos contrários. Chorei muitas vezes de revolta por estar passando por aquilo. Mas, a nossa confiança em Deus renovava nossas forças e nos fazia seguir adiante, crendo que um dia estaríamos contando esse testemunho”.

Maior caminho de milagres para a cura

Você também pode alcançar o milagre. Participe da “Corrente dos 70” que se refere a um corredor humano formado por 70 homens de Deus. Incluindo pastores e levitas, que oram e impõem as mãos consagradas sobre as pessoas que ali passam.

O corredor é o maior caminho de milagres para quem busca a cura total pela fé. Semanalmente, são milhares de testemunhos de quem recebeu a cura. Sobretudo, provando que o tempo de milagres não acabou. Se você acredita que seu sofrimento ou de um familiar pode ter um fim, compareça!

A saber, as reuniões acontecem todas as terças-feiras, às 10h, 15h e 20h, no Templo de Salomão, localizado na Avenida Celso Garcia, 605, no bairro do Brás, zona leste de São Paulo. Para mais informações sobre as reuniões em sua localidade, procure a Universal mais perto da sua casa.


  • Redação / Fotos: Arquivo pessoal 


reportar erro