Rede aleluia
A armadilha da vaidade
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 28 de Março de 2021 - 00:00


A armadilha da vaidade

Cair nela pode custar bem mais do que qualquer um pode imaginar

A armadilha da vaidade

Quando se fala em vaidade, muita gente ainda tem dúvidas se ela é algo bom ou ruim. A palavra vem do termo latino vanitatis, que significa vão, fútil e vazio. Como isso pode ser positivo, se alguém pode se sentir tão cheio por algo vazio?

Há o aspecto psicológico e o espiritual que, unidos, esclarecem tudo. No primeiro caso, o psicólogo Vagner Miranda, de São Paulo, afirma que muita gente pode se iludir quanto ao aspecto positivo da vaidade quando a confunde com autoestima. “A autoestima diz respeito a valores próprios, enquanto a vaidade está relacionada a valores que os outros atribuem a mim”, pontua.

Vagner expande esse raciocínio: “a autoestima não está necessariamente desvinculada da vaidade, mas pode ser independente dela. A pessoa com autoestima tem grandes chances de ser bem-sucedida e isso, consequentemente, gera reconhecimento, o que é muito prazeroso”.

O perigo, segundo o psicólogo, é quando “a partir das conquistas, as pessoas se sustentam no status alcançado e não se apoiam mais na autoestima, mas na vaidade. Ora, a autoestima não é algo que se mantém por si só. Ela necessita do constante recriar-se, uma busca incessante de movimento, de construção e de aprimoramento. Já a vaidade é muito mais frágil, pois depende de olhar, admiração, aprovação e interesse dos outros”.

Para Vagner, “é como se ser reconhecido como bom pelos outros já bastasse e o investimento emocional e até mesmo financeiro pode ser enorme. Muitas vezes, para obtê-lo, deixamos de lado nossos valores pessoais. Esse é claramente o tipo de negociação interna que empobrece a vida emocional e psíquica, o que fatalmente gera sofrimentos, como os transtornos de ansiedade”.

Há gratificações que a vaidade traz, instantâneas, mas ilusórias, segundo Vagner, “mas que não têm o poder de sustentação e não se comparam à qualidade do se sentir bem de dentro para fora. Tentar sempre obter gratificações para a vaidade não gera autoestima”.

Riscos para a vida espiritual

O Bispo Júlio Freitas explica como essa armadilha citada por Vagner Miranda interfere no lado espiritual e o perigo de priorizar o que vem de fora (das outras pessoas) em prejuízo do que vem de dentro – a influência do Espírito Santo e a comunhão com Deus. Ele indica que é imprescindível saber identificar as “iscas” que a vaidade usa para “fisgar” as pessoas (confira abaixo).

O Bispo faz uma advertência: “muitos que um dia estiveram no Altar se perderam, caíram em tentação, se corromperam e hoje estão afastados. O pecado inicial não foi o adultério, a mentira, a rebelião, a promiscuidade, o vício e o tocar no sagrado, mas foi a vaidade. Ela seduziu um dia Lúcifer, convertendo-o no diabo. Guarde o seu coração da vaidade, esse sentimento tão nocivo, traidor e destrutivo que pode custar até mesmo sua Salvação”, finaliza.

Identifique as quatro iscas da vaidade

Confira os conselhos do Bispo Júlio Freitas

Os elogios: “eles suscitam a vaidade. Veja o que disse o Senhor Jesus em João 5.44: ‘Como podeis vós crer, recebendo honra uns dos outros, e não buscando a honra que vem só de Deus?’. Ele critica aqueles que vivem um afagando o ego do outro, falando dos religiosos. A ‘honra que vem só de Deus’ é a aprovação do Altíssimo por meio de obediência, sacrifício, renúncia, entrega, humildade, submissão a Ele, independentemente do que sentimos, do que os outros dizem e do que está acontecendo. Quem quer receber o reconhecimento dos outros e não de Deus não crê”.

As vitórias: “ao conquistar algo, é normal que nos sintamos felizes, que divulguemos para glorificar a Deus, mas nos cabe guardar o coração da vaidade que a vitória produz. Como? Atribua essa vitória não a você, à sua capacidade, ao tamanho da sua fé, à sua obediência, à constância na Igreja, mas ao poder de Deus”.

As revelações: “quanto mais o Altíssimo nos revela coisas maravilhosas e somos usados por Ele para divulgá-las, mais devemos nos humilhar e nos policiar, porque não faltarão aplausos, elogios, vitórias e superações. Mas foi Deus que revelou algo na Palavra a nós e isso resolveu um problema e evitou muitos outros. Ele às vezes permite que Seu servo tenha um problema não resolvido, um sonho não realizado e um objetivo não alcançado. Isso mostra que a glória é dEle, não nossa ou da Igreja. Fomos apenas o instrumento para as revelações. Não é bom se achar ‘o tal’, com todos os problemas resolvidos e todos os sonhos realizados”.

A posição: “Deus muitas vezes nos coloca em uma posição de destaque. Se isso subir à cabeça, pode custar até mesmo a Salvação. O Senhor Jesus nos deixou uma lição: ‘De sorte que haja em vós o mesmo sentimento que houve também em Cristo Jesus, que, sendo em forma de Deus, não teve por usurpação ser igual a Deus, mas esvaziou-Se a Si mesmo, tomando a forma de servo, fazendo-Se semelhante aos homens.’ (Filipenses 2.5-7). Se Ele, o próprio Deus feito homem, procurou não se deixar seduzir por sua posição, por que nós, humanos falhos e pecadores, nos deixamos? Nossa Salvação é mais importante do que nossa posição”.


A armadilha da vaidade
  • Marcelo Rangel / Foto: Getty Image 


reportar erro