Rede aleluia
3 passos para o verdadeiro arrependimento
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 19 de agosto de 2017 - 03:05


3 passos para o verdadeiro arrependimento

Entenda a diferença que faz quando você realmente se arrepende de um erro

3 passos para o verdadeiro arrependimento

A cena já deve ter se repetido diversas vezes: você falou o que não devia e acabou gerando a maior confusão e até magoando alguém. Quando se deu conta da proporção que tomou aquele seu comentário sem pensar, ficou se sentindo culpado por muitos dias, arrasado, e prometeu a si mesmo não fazer mais isso, afinal, concorda que sempre fala o que não deve.

Mas, passado um tempo, olha só quem voltou a fazer a mesma coisa. Aliás, você já prometeu deixar de fazer inúmeras coisas que lhe fizeram mal, ou pelo menos o fizeram sentir-se assim alguma vez na vida, seja em qualquer aspecto, principalmente no espiritual.

O que muitos não compreendem é que todos nós – na condição de pecadores que somos – estamos fadados a errar:

Pois todos pecaram e carecem da glória de Deus, sendo justificados gratuitamente por sua graça, mediante a redenção que há em Cristo Jesus. Romanos 3.24:24

A diferença acontece conforme o que fazemos após o erro cometido. Muitos se remoem por dentro, se culpam, sofrem, mas, na primeira oportunidade, lá estão fazendo tudo novamente, para, no final, voltarem a sofrer por isso e se angustiarem. Assim, vivem o ciclo do remorso. Isso quando as consequências não são ainda mais graves, como foi um dos casos mais conhecidos de remorso da humanidade, o de Judas Iscariotes. Por 3 anos ele andou lado a lado com o Senhor Jesus, mas isso não gerou nele uma mudança de caráter. Na primeira chance que teve, traiu Aquele a quem chamava de mestre por 30 moedas de prata. E não só isso, identificou quem era Jesus aos algozes com um beijo. Mas a dor do remorso logo tomou conta do seu ser e ele se angustiou tanto por ter feito aquilo que tomou uma decisão errada: o suicídio (Mateus 27.3-5).

O remorso até faz você ver o erro que cometeu, mas não faz diferença na sua vida. O arrependimento sim. O bispo Macedo, em seu livro ‘Pecado e arrependimento”, esclarece que:. “Ora, se o remorso não passa de um sentimento de culpa cobrado pela consciência, ele só pode produzir mal-estar durante um certo período de tempo, o que logo será esquecido. Nada mais. Mas o arrependimento é diferente e implica mudanças de comportamento em relação ao erro.”

Então, como é possível viver um verdadeiro arrependimento e parar de vez com esse ciclo de remorso? O bispo orienta sobre 3 atitudes:

1º passo – Ver o pecado: Admitir um erro é uma das coisas mais difíceis para o ser humano. Quando isso acontece, é porque a pessoa deixou o Espírito Santo agir, já que é Ele quem nos convence do pecado (João 16.8). “Para que haja arrependimento é preciso, em primeiro lugar, que a pessoa errada considere o seu erro; ou seja, é necessário que ela assuma o seu erro corajosamente, analisando por que cometeu aquele delito e onde foi que começou a cair em pecado”, orienta.

2º passo – Confessar o pecado: Não adianta admitir que errou e tentar simplesmente esquecer depois. Admitir requer também a ação de confessar o erro a Deus por meio da oração, e, se necessário, às pessoas afetadas por ele. “Se admitimos o pecado e não o confessamos, então ele fica guardado no ‘almoxarifado’ do coração; mais tarde, ele atrairá mais pecados. É como o demônio, quando entra na vida de alguém e atrai outros piores que ele”, explica o bispo. Por isso o diabo tenta convencer de que não é necessária essa atitude, colocando a vergonha, o receio do que vão pensar. Mas manter esse segredo é criar um terreno fértil para cometer o erro novamente. A confissão, além de demonstrar humildade, cancela o poder do erro:

Se confessarmos os nossos pecados, Ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda a injustiça 1 João 1.9

3º passo – Detestar o pecado: O bispo ressalta que se a pessoa comete um pecado, admite e confessa-o, mas não toma atitudes que mostrem o seu repúdio àquilo, então “ele voltará a bater mais forte na porta do seu coração e forçará insistentemente a entrada”.

Quando erramos e não nos arrependemos, é com se tivéssemos desprezando a Deus.“O arrependimento é um dom de Deus e uma condição que Ele nos oferece para podermos nos endireitar com Ele.”

Que erros você insiste em cometer, mesmo quando a sua vontade é de não errar mais? Será que o que falta não é seguir esses 3 passos e ter um arrependimento sincero?

Você já passou pela experiência de sempre fazer algo errado, sentir remorso por isso mas não mudar? O que aconteceu quando se arrependeu verdadeiramente? Compartilhe conosco nos comentários. A sua experiência pode ajudar outras pessoas.


3 passos para o verdadeiro arrependimento
  • Por Núbia Onara / Imagem: Thinkstock 


reportar erro