Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 20 de outubro de 2018 - 00:05


259 mortes em um ano: os perigos de uma selfie

Segundo um estudo publicado pelo Journal of Family Medicine and Primary Care, entre 2011 e 2017 foram contabilizadas 259 mortes por causa de selfies arriscadas.
Os locais de risco – aponta a publicação – são montanhas, edifícios e lagos, principalmente. Porém, os casos são os mais diversos: envolvendo transportes, animais, quedas, afogamentos e até mesmo armas de fogo.
Em julho deste ano, o Universal.org noticiou, por exemplo, sobre uma mulher que causou um prejuízo de 200 mil dólares (quase 750 mil reais), após tentar tirar uma selfie em frente à uma exposição. Ela perdeu o equilíbrio, enquanto fazia uma pose, e derrubou vários itens de arte. O caso ocorreu em Los Angeles, nos Estados Unidos.
No Piauí, aconteceu algo mais grave: uma jovem – que estava acompanhada de amigas – perdeu o controle do automóvel, por causa de uma filmagem que estavam fazendo com o celular. Confira mais detalhes na reportagem, abaixo, exibida no Jornal da Record:

As mortes por selfie atingem, sobretudo, os jovens. O primeiro grupo, representado por pessoas entre 10 e 19 anos, representa 29% dos casos apurados pelo estudo, já a faixa etária entre 20 a 29 anos corresponde a 41%.
Um outro estudo, organizado pela Nottingham Trent University, do Reino Unido, elaborou a “Escala do Comportamento Selfitis”, que quantifica o grau de desordem mental de uma pessoa por tirar selfies.
A escala vai de um a mil e foi testada em cerca de 400 habitantes da Índia, que é o país com o maior número de usuários de Facebook.
A conclusão foi que as pessoas que mais tiravam selfies eram as que tinham alta dependência social ou desejavam uma maior valorização. Foram observados, também, “comportamentos de vício” nesse grupo.
Faça uma autoavaliação
Se você gasta uma quantidade excessiva de tempo em redes sociais, diariamente, ligue o sinal de alerta, pois, você pode estar se tornando uma pessoa viciada na satisfação imediata que está recebendo.
Geralmente, esse comportamento está relacionado com um vazio interior, uma sensação de que as pessoas não lhe dão a devida atenção, ou, até mesmo, com a depressão.
Para receber um atendimento espiritual, acesse, agora mesmo, o Pastor Online.


  • Daniel Cruz / Foto: iStock 


reportar erro