Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Sou o Júlio Cesar, montanhista, aventureiro.

Minha História

Sou o Júlio Cesar. Funcionário público. Apaixonado pelo rapel, jiu-jítsu e montanhismo. Eu sou a Universal!

Avante!

Júlio Cesar aos 10 anos queria ser bombeiro.

Hoje, é um aventureiro.

Do sonho de ser um herói e salvar vidas, até o rapel, o voo de asa delta, o trekking (trilhas em montanhas) e o jiu-jítsu, a jornada foi dura.

Antes da aventura

Quando Júlio era criança, sonhava em ser bombeiro. Ele se encantava com os grandes caminhões vermelhos e os atos heroicos dos soldados de fogo.

O tempo passou, e a vida levou Júlio Cesar para outros caminhos. Mas aquele desejo de menino não foi totalmente abandonado. Aos 33 anos, ele se tornou voluntário no grupo de apoio da Defesa Civil e auxiliava no salvamento de vítimas em áreas de risco e em alagamentos.

Para auxiliar nos resgates, Júlio aprendeu técnicas de escalada como rapel – descida em um paredão na vertical com ajuda de uma corda. Ele foi se aprimorando até chegar ao montanhismo.

Hoje, Júlio Cesar, ou Avante como é chamado pelos seus amigos, é um funcionário público dedicado. Mas é nos finais de semana que ele se mergulha em sua paixão: os esportes radicais.

Dos dias difíceis à vitória

Nascido no Rio de Janeiro, Júlio Cesar tem 38 anos e passou por muitos momentos de dificuldade.

Quando estava na adolescência, tinha muitas brigas com a mãe. Diariamente, discutiam e o principal motivo era que o pai dele, todos os dias, bebia e jogava. Irritada com as saídas do marido, a mãe de Júlio descontava no filho. Com o tempo, ela adquiriu Síndrome do Pânico e acabou viciada em calmantes e cigarro.

Em decorrência da doença da mãe, Júlio César passou, aos 10 anos de idade, a cuidar da casa sozinho: lavando, cozinhando e passando roupa, enquanto a mãe vagava pelas ruas sem rumo.

Jovem e solitário, o carioca tinha sentimentos de fracasso na vida familiar e amorosa.

Em 1999, quando trabalhava como frentista em um posto de gasolina, ele conheceu Maricelia da Silva, que hoje é sua mulher. Ela era funcionária do mesmo posto, trabalhando na loja de conveniência.

Um ano depois, Maricelia convidou-o para ir à Igreja Universal do Reino de Deus, e foi nesse mesmo dia que o carioca percebeu que poderia mudar. Ele passou a ter um melhor relacionamento com a sua mãe e a amá-la. Foi também com a ajuda da Universal que, em 2005, a mãe de Júlio recuperou a saúde.

Em 2001 ele se casou e, desde então, tem o apoio da esposa em suas aventuras.

Esporte de alto risco

 Dos 10 anos praticando esportes radicais, Júlio Cesar tem muitas histórias para contar.

Certa vez, estava praticando canyonismo – descida vertical em cachoeira de alta pressão. Júlio estava numa cachoeira, quando uma tempestade caiu repentinamente. Ele e mais cinco pessoas decidiram que o melhor era não recuar e continuar o percurso usando todos os conhecimentos técnicos. “Com a mão de Deus, vencemos a correnteza e chegamos em terra firme”, relembra Avante.

Em outra aventura, quando fazia rapel o carioca ficou preso na metade de uma rocha, no paredão da montanha Dona Marta (RJ), sem água ou comida. Já era noite e estava escuro. Depois de muito insistir, com a lanterna do celular, conseguiu localizar o grampo – aro de metal que fica fixo na rocha – e concluiu o percurso. “Foi um milagre eu ter sobrevivido”, conta o aventureiro.

Missão

 Avante gosta tanto de praticar esportes, que passou a compartilhar a sua paixão com outras pessoas. Ele é faixa preta e professor de jiu jitsu no programa social Força Jovem Universal, da igreja Universal do Reino de Deus, e ensina 50 alunos carentes gratuitamente.

Júlio também está batalhando para conseguir patrocínio e escalar o Everest, montanha mais alta do mundo, com 8.848 metros de altura, localizada na cordilheira do Himalaia, situada na fronteira entre o Nepal e o Tibete (China).

Outro sonho dele é escrever um livro sobre as suas histórias e aventuras.

Júlio Cesar superou dificuldades imensas, como as montanhas que hoje escala. Lutou contra problemas na infância, como lutam os jovens carentes para quem leciona jiu-jítsu. Levou longe o compromisso com a família, como longe vão os voos de asa delta que pratica. Marido dedicado, aventureiro, que almeja ir cada vez mais alto. Esse é Júlio Cesar e ele é a Universal.