Rede aleluia
Bullying na escola
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Cristiane Cardoso | 18 de setembro de 2020 - 21:00


Bullying na escola

Cristiane conta mais uma de suas experiências com a irmã e a nova amiga portuguesa

Bullying na escola

Quando ouvi da minha nova amiga que a punk que me acompanhava na escola tinha cuspido nela e a chamado de nomes feios, me revoltei e a levei na diretoria para reportar a menina. Depois disso, a punk nunca mais falou comigo e eu, não estava nem aí, afinal, a “amizade” dela não ia me fazer bem.

A portuguesa vivia sofrendo bullying, não por causa de mim, mas por causa do físico dela e isso a levou a descontar em mim. Vivia me falando o quanto ela era inteligente, e eu não, porque não estava nas classes dela. Me esforcei muito pra ser transferida daquelas classes de gente que não queria estudar, até porque, a punk estava em todas e ela já não ia com a minha cara. Me tornei a melhor aluna de história simplesmente porque só eu fazia o dever de casa (sem falar inglês).

Ir pra escola continuava sendo um tormento, até pra pegar o ônibus cedo de manhã, pois eu e Vivi ficávamos no ponto de ônibus congelando no frio. No ônibus, sofríamos bullying. Na escola, a Vivi ficava sozinha o dia todo e minha única amiga, às vezes, me fazia sentir inferior a ela. Sinceramente, voltar pra casa era a melhor parte do dia.

Nosso lar sempre teve muita paz. Moysés fazendo as artes engraçadinhas dele, meus pais tão amorosos um com outro e com a gente, e eu e Vivi ainda éramos as melhores amigas. Quando nevava eu torcia pra escola fechar e, quando tinha feriado, era um dos melhores dias da semana pra mim.

Enquanto eu e Vivi vivíamos nossas dificuldades na escola, nossos pais viviam na igreja. Nosso lar virou também um refúgio de tudo que acontecia lá fora. Nos conhecemos melhor, conversávamos mais, nos apegamos mais com os nossos pais, principalmente com o meu pai, que antes quase não ficava em casa. Por isso, eu sempre digo, Nova York foi ruim por um lado, mas foi muito importante por outro. Foi ali que a nossa família se fortaleceu.

Às vezes, não enxergamos que as dificuldades é que nos fortalecem e nos preparam para coisas maiores. No meu caso, foi Nova York que me preparou para, então, em dois anos conhecer a Deus. Mas essa história eu vou contar mais pra frente.

Continua…


Bullying na escola
  • Cristiane Cardoso / Foto: Arquivo Pessoal 


reportar erro