Rede aleluia
A mudança para Nova York
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Cristiane Cardoso | 12 de setembro de 2020 - 21:00


A mudança para Nova York

Cristiane relata como foi a adaptação em outro país

A mudança para Nova York

Fiquei muito feliz quando soube que íamos mudar pra Nova York [EUA]. Não falava inglês, mas como criança, não tinha a menor noção do que isso significaria em uma nova escola, em um outro país, com uma cultura totalmente diferente da minha. Compramos roupas de frio que, sinceramente, não fizeram a menor diferença ao inverno de Nova York.

Lembro-me como se fosse hoje do dia em que viajamos. Fizemos até escova no cabelo! Meu look super chique e desconfortável para a longa viagem me fez sentir uma mocinha, embora nem doze anos tinha ainda. Fomos para o aeroporto e quando vimos nossa família, os pastores e as esposas lá para se despedirem da gente, só, então, que caiu a minha ficha. Eu estaria indo para um lugar onde só teria eu, Vivi, Moysés, papai e mamãe. Ninguém da família falava inglês e, portanto, dependeríamos totalmente de Deus nessa nova missão. Choramos muito no aeroporto.

Quando chegamos em Nova York, ficamos em uma quitinete de três cômodos: quarto (que virava sala durante o dia), banheiro e cozinha. Imagina a animação minha e da Vivi de poder dormir no mesmo quarto que os nossos pais! Nós amamos a invasão de privacidade, imagino, no entanto, que tenha sido super difícil pra eles. Ficamos algumas semanas, enquanto procurávamos um lugar pra morar, até que o Pastor Forrester, o americano que tinha nos convidado pra abrir a igreja em Nova York, nos ofereceu para ficar na casa dele. Ele e a Maryenne eram como avós pra gente, tão bonzinhos, carinhosos, fizeram de tudo pra gente se sentir bem à vontade na casa deles.

Minha mãe passou um pouco de vergonha com a gente, porque já que tudo era novidade, a gente queria repetir tudo que a Maryenne cozinhava, até ovo frito. Era tudo uma delícia! Parece que a fome só chegou na nossa vida quando mudamos pra Nova York… talvez o frio tenha dado um empurrãozinho nisso. Ô lugar frio! Como meninas muito magrinhas, sofríamos o dobro. Tudo congelava, nariz e orelha, então… evitávamos sair por isso.

Antes de entrarmos na escola, aproveitamos muito esse tempinho em família, já que a igreja só abria às quartas e aos domingos. Meu pai ficava bastante tempo em casa e foi ali, naquela época, que o conhecemos melhor.

A história continua….


A mudança para Nova York
  • Cristiane Cardoso / Foto: Arquivo Pessoal 


reportar erro