A valorização pessoal das detentas também faz parte do processo de ressocialização


Por Michele Roza / Fotos: Cedidas

O grupo Universal nos Presídios (UNP) do Uruguai realiza um dedicado trabalho de evangelização e atendimento social em prol das mulheres presas em penitenciárias femininas do país. Semanalmente, voluntárias visitam os presídios com o objetivo de levar a Palavra de Deus a centenas delas.

Recentemente, a unidade 5 do Centro Nacional de Reabilitação, em Montevidéu, capital e maior cidade do país, onde estão 320 detentas, passou por uma rebelião. Houve confronto, inclusive com feridos. Poucos dias depois, o grupo UNP Feminino, que já realiza ações periodicamente no local, foi convidado a realizar uma ação de interação social e que levasse também uma palavra de fé e paz.

“Somos a única Igreja que faz esse trabalho lá dentro e os diretores sabem que podem contar com o grupo, porque sempre estamos dispostos a ajudar. Eles também contribuem muito com o nosso trabalho, abrindo as portas para toda ação realizada. Somos muito bem recebidos e respeitados. Nesta ação conseguimos reunir policiais, carcereiros e funcionários interagindo na mesma atividade que as detentas foram atendidas”, explicou Suzana Rubio, responsável pelo grupo no Uruguai.

Processo de ressocialização

A ação realizada foi o “Dia de Beleza”. Cerca de 35 voluntárias do grupo, que já realizam ações no local (como visitas ao setor de segurança máxima e as celas de solitárias), ofereceram diversos tipos de serviços. Em todas as visitas há doações de itens angariados pelo grupo como kits de higiene pessoal e alimentação.

Neste dia, mais de 120 detentas foram atendidas com sessões de cabeleireiro, manicure, limpeza de pele e massagens. Além disso, distribuíram para cada uma delas kits com alfajores, frutas, entre outros itens e compartilharam uma farta mesa de lanches. Houve uma oração especial pela vida delas.

A ação foi realizada com o objetivo de fazer as detentas se sentirem valorizadas. Cuidar da beleza e do bem-estar aumenta a autoestima delas e isso também faz parte do processo de ressocialização.

“As ações fazem com que elas conheçam o trabalho da Igreja. Além disso, é muito importante que possam também compartilhar momentos com as demais internas. Uma vez que muitas delas já sofrem com a rejeição dos familiares e da sociedade, ações como essa fazem a grande diferença”, concluiu Suzana.

Uma das detentas que participou da ação foi Luciana Velázquez, de 32 anos. Na semana seguinte ela conquistou a liberdade e já está frequentando as reuniões da Universal na região de Paso Molino, em Montevidéu.

“Todas as vezes que chegava o dia do grupo nos visitar e realizar uma ação social, esperávamos com muita alegria. Sabíamos que naquele momento estaríamos em família, pois, o que as voluntárias do grupo UNP Feminino fazem pelas detentas é muito gratificante e ninguém mais faz”, contou Luciana.

Quer ser um voluntário?

Quer saber mais sobre o trabalho da Universal no Uruguai e em outros países? Clique aqui. Para informações de como se tornar um voluntário do Universal nos Presídios (UNP), procure a Universal mais perto da sua casa e converse com o pastor responsável. Para outras ações do grupo, acesse e curta o perfil oficial no Facebook, clicando aqui.

 

ler mais
Notícias relacionadas
Reportar erro

comentários

Comunicar erro

Comunique à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A valorização pessoal das detentas também faz parte do processo de ressocialização

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente


Fake news

Você sabe de alguma notícia falsa que tem circulado na internet sobre a igreja Universal? Relate aqui o caso que iremos trazer toda a verdade no site Mitos e Verdades

Formulário de Denúncia

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente


Expediente

Editora Executiva:

Coordenadora de Conteúdo:

Repórteres:



E-mail para Contato:

Telefone:

Endereço

Cep:

Free WordPress Themes, Free Android Games