China: como é a Universal do outro lado do mundo?

Pregar o Evangelho no país requer muita atenção. Entenda o motivo



Por Por Sabrina Marques / Fotos: Cedidas

Em 1996, a Universal estava firmando seu compromisso em levar o Evangelho ao país mais populoso do mundo, a China, hoje com 1,397 bilhão de habitantes. Mas, apesar de estar legalmente na região já na década de 1990, a Igreja só conseguiu abrir suas portas em Hong Kong (região especial da China) em 2004.

O versículo “Ide por todo o mundo e pregai o Evangelho a toda criatura” (Marcos 16.15) é um desafio para aqueles que se dispõem a atravessar fronteiras. Mesmo com dificuldades e sofrendo preconceito, a Universal já abriu suas portas em Macau e em Taiwan (República Democrática da China). A maioria dos frequentadores é das Filipinas, da Indonésia e do Brasil. Os cultos são na língua local, o cantonês, em inglês e no idioma filipino, o tagalog.

“Somos no total nove pessoas levando o Evangelho. Em 2015, pastores brasileiros vieram para cá, houve um grande choque de culturas, mas também um grande aprendizado”, conta o Bispo Wai Lun Pang, um dos responsáveis pelo trabalho da Universal no país.

Desde 1949, o país asiático adota o ateísmo. As crianças são ensinadas a não acreditar em nenhum deus e o governo comunista chinês controla todas as atividades religiosas, pois, pela lei local, a manifestação de fé não é permitida.

“Obedecemos às leis locais e, por isso, pregar o Evangelho na China requer muita atenção. Procuramos falar da Palavra de Deus da forma mais discreta possível”, comenta o Bispo Pang.

Mas, nas cidades onde a Universal já conseguiu se estabelecer, voluntários se dedicam a diversos projetos sociais e à evangelização nas ruas. “O trabalho da Universal na China tem se mostrado necessário, uma vez que há muito sofrimento por trás de uma sociedade que mostra sinais de prosperidade. Quem chega para uma visita aqui pensa que é o melhor lugar do mundo, mas, acompanhando o dia a dia das pessoas, a realidade é diferente. O trabalho de libertação da Universal tem que fazer a diferença nesse país”, acrescenta o Bispo.

Estrella Guinto, de 58 anos (foto a dir.), foi uma das pessoas que, por meio da fé e do trabalho da Universal, se libertou dos vícios e teve a vida restaurada. “Quando cheguei à Universal tinha uma vida miserável, constantemente pensava em me matar. Era depressiva, viciada em bebidas alcoólicas, os meus filhos e a minha mãe viviam doentes e o meu salário era consumido pelos vícios do meu marido. Até que um dia ouvi a programação da Universal pela rádio e resolvi buscar ajuda. Hoje, depois de 10 anos, estou livre de todo o mal, com a família e a vida financeira abençoadas. Acima de tudo, recebi o Espírito Santo e sirvo a Deus como obreira da Igreja”, enfatiza.

Se você for à China, visite a Universal em Hong Kong, que está localizada na 8F Trade Square Building 681, Cheung Sha Wan Road – Cheung Sha Wan – Kowloon – Cheung Sha Wan MTR – Exit B.

ler mais
Reportar erro

comentários

Comunicar erro

Comunique à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

China: como é a Universal do outro lado do mundo?

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente


Fake news

Você sabe de alguma notícia falsa que tem circulado na internet sobre a igreja Universal? Relate aqui o caso que iremos trazer toda a verdade no site Mitos e Verdades

Formulário de Denúncia

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente


Expediente

Editora Executiva:

Cinthia Meibach

Coordenadora de Conteúdo:

Ivonete Soares

Repórteres:

Andre Batista, Daniel Cruz, Débora Picelli, Jeane Vidal, Michele Roza, Rafaella Rizzo, Sabrina Marques, Rafaela Dias



E-mail para Contato: redacao@sp.universal.org.br

Telefone:(11) 2392-3372

Endereço Rua João Boemer, 254 - Brás, São Paulo

Cep: 03018-000

Free WordPress Themes, Free Android Games