A bebê tinha apenas 30% de chance de sobreviver

Sabrina Galdino teve uma gravidez de alto risco e a sua filha passou por sofrimento fetal em um parto delicado e arriscado



Por Por Michele Francisco / Fotos: Cedidas

A comerciante Sabrina Galdino, de 31 anos, engravidou e ficou radiante com a notícia. Como toda mãe de primeira viagem, estava cheia de curiosidades e expectativas. Na 24ª semana de gravidez, um diagnóstico a deixou insegura: ela tinha insuficiência isto-cervical (IIC), um problema que pode comprometer a gestação e a saúde do bebê.

Segundo o médico obstetra Carlos Mascarenhas, presidente da Associação de Ginecologistas e Obstetras de Minas Gerais (Sogimig), a IIC é uma disfunção da gestação em que o colo uterino abre, espontaneamente, antes do final da gravidez. O normal é que isso aconteça somente no período das contrações uterinas.

“O médico me disse que a gravidez era de alto risco, pois a qualquer momento o bebê poderia nascer. Se isso ocorresse, havia o risco da minha filha não sobreviver ou contrair alguma infecção por conta de um parto prematuro”, conta Sabrina.

Para aumentar a gravidade do problema, Sabrina descobriu que também tinha a bolsa protusa, que ocorre quando a bolsa de líquido amniótico, que envolve o feto durante a gestação, sai do local onde deveria permanecer.

Sabrina precisou ficar internada. Logo sua bolsa se rompeu e ela teve de fazer uma cesárea de emergência, pois o bebê já estava em sofrimento fetal e não recebia mais oxigênio. “Minha filha nasceu praticamente morta. Ela ficou alguns minutos sem reação e os médicos tiveram que ressuscitá-la. Eles me disseram que ela só tinha 30% de chance de sobreviver”, relata.

A pequena Isabelli Sabóia nasceu com 27 semanas e 3 dias, ou seja, com 6 meses de gestação (foto a dir.). De acordo com o obstetra, um bebê que nasce nessa idade gestacional ainda não está pronto para os processos de adaptação que todos nós passamos quando nascemos. Os órgãos ainda não estão amadurecidos adequadamente, por exemplo.

A equipe médica responsável pelo parto de Sabrina explicou que a bebê poderia ficar com sequelas, pois ela ficou sem oxigênio e ainda tinha uma hemorragia no cérebro. Os especialistas deixaram a mãe consciente dos riscos, que ainda eram grandes.

Em meio a tantas notícias ruins, Sabrina se apegou à fé. Ela já frequentava a Universal com a família desde a infância. “Eu ficava sem chão. Foi muito complicado lidar com a situação, pois a todo momento eu via uma mãe chorando a perda do filho. O que me manteve de pé foi a ajuda do meu esposo, que sempre tinha uma palavra de fé para me oferecer”, relata.

Sabrina recebeu alta e passou a frequentar as reuniões de cura para fortalecer sua fé com propósitos e orações. Apesar do momento complicado pelo qual passava, ela começou a levar palavras de fé às mães que estavam no hospital na mesma situação que ela. Aos poucos, a saúde de Isabelli foi se estabilizando.

“Nós recebíamos notícias boas e, em outros dias, notícias ruins. Ela chegou a ter distensão do abdômen e sopro no coração, mas, a cada palavra negativa, nos apegávamos mais a Deus”, lembra.

Depois dos dias difíceis, a pequena começou a ganhar peso. Dessa forma, ficou mais fácil superar os problemas que surgiam.

Depois de 56 dias de internação, Isabelli teve alta. Os médicos explicaram que ela ainda precisava ser examinada com frequência por vários especialistas. “Para eles, a Isabelli tinha que manter o acompanhamento, pois eles achavam que ela teria sequelas graves.”

Com o passar dos meses, Isabelli foi se desenvolvendo normalmente. Ao completar 1 ano sem qualquer tipo de sequela, os especialistas entenderam que ela não teria mais nenhum problema. Agora ela era uma menina saudável.

A pequena foi curada por meio da fé e da crença dos pais, que nunca desistiram. Sabrina relata que muitas mães que acompanharam a história de Isabelli se sentiram motivadas a buscar a fé por seus filhos nas reuniões de cura da Universal. A determinação de Sabrina não ajudou apenas sua própria filha, mas também outras mães.

Isabelli, atualmente, está com 2 anos e tem uma vida plenamente ativa. Desde que saiu do hospital, nunca apresentou problemas. É uma criança saudável.

Reunião da Saúde restaurada

Direcionada a quem sofre com uma doença, dores ou problemas de saúde persistentes. Todas as terças-feiras, no Templo de Salomão ou em uma Universal mais próxima de você. Para saber os horários, acesse aqui.

* A Universal ensina a prática da fé espiritual associada ao tratamento médico recomendado a cada paciente

ler mais
Reportar erro

comentários

Comunicar erro

Comunique à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A bebê tinha apenas 30% de chance de sobreviver

[recaptcha]

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente


Fake news

Você sabe de alguma notícia falsa que tem circulado na internet sobre a igreja Universal? Relate aqui o caso que iremos trazer toda a verdade no site Mitos e Verdades

Formulário de Denúncia

[recaptcha]

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente


Expediente

Editora Executiva:

Cinthia Meibach

Coordenadora de Conteúdo:

Ivonete Soares

Repórteres:

Andre Batista, Daniel Cruz, Débora Picelli, Jeane Vidal, Michele Roza, Rafaella Rizzo, Sabrina Marques, Rafaela Dias



E-mail para Contato: redacao@sp.universal.org.br

Telefone:(11) 2392-3372

Endereço Rua João Boemer, 254 - Brás, São Paulo

Cep: 03018-000

Free WordPress Themes, Free Android Games