O receio de não ser feliz na vida a dois

Jéssica fugia de relacionamentos sérios porque, para ela, todos os homens eram iguais. Saiba o que a fez mudar de ideia

Por Por Ana Carolina Cury / Fotos: Arquivo Pessoal

Quando o assunto é casamento, o sentimento de muitas pessoas é o de repulsa, seja porque presenciaram a união fracassada dos pais ou porque já foram traídas em algum namoro. Quem tem essa visão do matrimônio normalmente foge de relações mais sérias.

Jéssica Cesco Souza, de 26 anos, administradora, tinha esse perfil. “Eu tive vários relacionamentos frustrados. Fui traída em todos e, com isso, tornei-me uma mulher muito ciumenta e insegura. Com o tempo, fechei-me para o amor e passei a acreditar que o casamento era uma instituição falida”, diz.

A jovem formou a ideia de que o matrimônio era algo ruim, por conta das experiências que teve. “Para mim, todos os homens eram iguais. Eu achava que, se me arriscasse a casar, seria infeliz por toda a vida”, acrescenta.

Mudança de visão

Jéssica frequentava a Universal e, por meio das palestras, entendeu que precisava se libertar das marcas do passado. “Foi quando decidi participar da Terapia do Amor. Eu não sabia que a vida amorosa era uma área que exigia preparo e dedicação. Logo compreendi porque tinha me machucado tanto. Eu não havia me preparado da forma correta”, revela.

A partir de então, ela passou a entender melhor todos os ensinamentos e a colocá-los em prática. “A primeira coisa que aprendi foi a me amar. Quando comecei a praticar as orientações, venci o medo da decepção, a insegurança e os complexos. E, com toda essa mudança, voltei a acreditar no amor”, diz.

O casamento

Entre uma palestra e outra, Jéssica conheceu o autônomo Wilson Souza Santos, de 28 anos, que também foi curado dos traumas. “Eu vinha de vários relacionamentos frustrados e havia procurado a Terapia do Amor para vencer aquele sofrimento. Quando a conheci, interessei-me por ela e chamei-a para conversar.”

Depois de muita conversa e de alinharem os objetivos de vida, eles decidiram namorar. “Namoramos durante dois anos e três meses. Tinha certeza de que ela era a mulher da minha vida e pedi-a em casamento”, afirma Wilson.

Eles se casaram no dia 25 de janeiro, na Universal da cidade de Ariquemes, em Rondônia. “Aquela mulher que tinha medo de casar não existia mais. Posso dizer que o dia do nosso casamento foi um dos mais felizes da minha vida. Foi emocionante”, lembra Jéssica.

Segundo Wilson, a fase de adaptação foi rápida graças ao Curso Casamento Blindado e às palestras da Terapia do Amor. “A nossa adaptação foi muito rápida, parece que já nos conhecíamos há séculos. Isso só aconteceu porque nos empenhamos no curso preparatório e seguimos fazendo a Terapia do Amor toda quinta-feira. Não perdemos por nada”, conclui o autônomo.

Vida amorosa

Para saber mais como resolver os problemas da vida amorosa, participe das palestras da Terapia do Amor, todas às quintas-feiras, em uma Universal mais próxima de você. A cada palestra, casais, noivos, namorados e solteiros aprendem sobre o amor inteligente e como desenvolver o relacionamento a dois.

ler mais
Reportar erro

comentários

Comunicar erro

Comunique à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O receio de não ser feliz na vida a dois

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente


Fake news

Você sabe de alguma notícia falsa que tem circulado na internet sobre a igreja Universal? Relate aqui o caso que iremos trazer toda a verdade no site Mitos e Verdades

Formulário de Denúncia

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente


Expediente

Editora Executiva:

Cinthia Meibach

Coordenadora de Conteúdo:

Ivonete Soares

Repórteres:

Andre Batista, Daniel Cruz, Débora Picelli, Jeane Vidal, Michele Roza, Rafaella Rizzo, Sabrina Marques, Rafaela Dias



E-mail para Contato: redacao@sp.universal.org.br

Telefone:(11) 2392-3372

Endereço Rua João Boemer, 254 - Brás, São Paulo

Cep: 03018-000

Free WordPress Themes, Free Android Games