Rede aleluia
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Bispo Macedo | 6 de maio de 2019 - 00:00


Rotina da fé: ou você ama ou odeia

Quem sacrificou sua vida e seus sonhos para servir a Deus, ama a rotina do Altar

Bom dia, Bispo!

Estava meditando na Palavra do senhor, da última quinta-feira, sobre termos uma rotina da fé, de intimidade com Deus. E o Espírito Santo falou algo muito forte comigo e queria partilhar com o senhor.

Vamos imaginar a rotina de um dentista. Todos os dias alguém chega ao seu consultório e relata um problema comum: cárie, dente quebrado, dores etc. Provavelmente, existem uns dez motivos mais frequentes que causam mais de 90% das consultas. E será que o dentista se cansa dessa rotina? Não! Porque ele se sacrificou por essa rotina, estudou mais de 6 anos para ter essa sonhada rotina….

Um outro exemplo que veio à minha mente foi o dos pilotos de avião. Os mais maduros acumulam milhares de horas de voo. E a rotina é a mesma: decola, voa, aterrissa. Às vezes, centenas de vezes em um mês. E será que ele odeia essa rotina? Não! Ele ama a rotina. Sacrificou para estar ali.

Por outro lado, vamos imaginar um advogado que está como vendedor de carros. Ele se sacrificou para se tornar jurista. E mesmo que ganhe dinheiro para vender carros, ele ficará frustrado como vendedor e, por isso, a rotina dele vai ser um peso. Pois ele tem uma rotina diferente daquilo pelo qual sacrificou…

E o mesmo acontece com aquele que está no Altar. Se sacrificou sua vida e seus sonhos para servir a Deus, ele ama a rotina do Altar. Acorda, medita na Palavra de Deus, vai à Igreja (ou para o Altar que Deus o colocou… TV, administração etc.), atende o povo, faz reunião, depois volta para casa e dorme.

Para quem sacrificou, essa rotina é uma maravilha!!! Anos e anos podem passar, mas ele nunca enjoa.

Já para quem não sacrificou sua vida no Altar, a rotina da fé é um peso. Ele vive pensando em quebrar a rotina, viajar, fazer algo diferente, porque não consegue ter prazer no cotidiano.

Se alguém não está feliz com a rotina que tem, é porque não sacrificou para estar ali.

Que Deus o abençoe grandemente!


  • Colaborador: 

  • Pr Leandro Maquinez


reportar erro