Rede aleluia
O conflito entre a razão e os sentimentos
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Bispo Macedo | 11 de junho de 2018 - 00:08


O conflito entre a razão e os sentimentos

O conflito entre a razão e os sentimentos

Se não houver conflito, não há sacrifício!

Conflito é o que revela o sacrifício que Deus está nos pedindo para colocar no Altar. O diabo se desespera, pois sabe o que o Espírito Santo realizará na vida de uma pessoa obediente que sacrifica. Portanto, ele faz de tudo para impedir que sacrifiquemos.

Imagine o que deve ter passado pelo coração de Abraão, durante os três dias de caminhada no deserto, ouvindo a voz de seu inocente filho, perguntando:

… Eis aqui o fogo e a lenha, mas onde está o cordeiro para o holocausto? Gênesis 22.7

Acredito que Satanás usou esse momento para falar forte ao coração de Abraão, dizendo-lhe que o que Deus queria que ele fizesse era “loucura” e sua “perda” seria irreparável, além disso, Abraão não tinha referência (exemplo) de alguém que tivesse feito o mesmo tipo de sacrifício. Ele seria o primeiro a sacrificar daquela maneira!

Como pai, seus sentidos lhe diziam para não sacrificar o que ele passou a vida inteira esperando, e que era a única garantia dele ter descendentes.

Seu conflito foi grande, mas Abraão não escutou a voz do sentimento. Ele respondeu, com a frieza de um servo obediente, sem reclamar ou questionar seu Senhor:

Deus proverá para Si o cordeiro para o holocausto, meu filho. Gênesis 22.8

E então, obedeceu!!!

Isso me lembra o Senhor Jesus, quando o Seu “conflito” interior foi tão grande que Seu suor se tornou como gotas de sangue, à medida que o tempo se aproximava do maior e mais doloroso de todos os sacrifícios da história humana. O Seu lado humano (fraco) apelou para Deus, a fim de ser “isento” do sacrifício. Mas, o Seu lado da fé O fez terminar aquela oração da forma mais perfeita possível:

Pai, se queres, passa de Mim este cálice; TODAVIA NÃO SE FAÇA A MINHA VONTADE, MAS A TUA. Lucas 22.42

Ele reagiu concentrando-se na vontade de Seu Pai e não na Sua.

A questão é:
Seu sacrifício tem gerado conflitos dentro de você? Quando você olha para o que Deus lhe pediu, você sente a dor da perda? Ou você está indo para o Altar como se estivesse subindo a um palco? Se assim for, não sacrifique.


reportar erro