Rede aleluia
Amanda
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCaraguatatubaCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Bispo Macedo | 8 de Dezembro de 2013 - 06:50


Amanda

Amanda



Até os 7 anos fui uma criança normal, porém, a partir daí quis ser diferente. Aos 9 anos, tingi meus cabelos de loiro (naquela época isso não era comum, eu era uma das poucas crianças assim). Tudo começou muito cedo, aos 11 anos comecei a sair para festas, baladas em bairros próximos e a ter más amizades. Comecei a usar piercing e minha aparência já transmitia rebeldia. Vivi em meio às drogas, bebidas e prostituição, porém, tinha medo de me envolver. Mas os problemas dentro de casa aumentavam, então comecei a fazer tudo aquilo que eu sentia nojo.

Tinha o sonho de ser modelo, e isso se concretizou. Conforme crescia naquela bagunça, cada vez eu ficava pior, coloquei mais piercings e comecei a pintar meu cabelo de diversas cores. Tirava fotos polêmicas e postava na internet, e assim comecei a ficar conhecida, muitas pessoas se espelhavam em mim, no meu estilo, no meu jeito. Minha carreira estava andando, desfiles, fotos, trabalhos internacionais, reconhecimento, fãs. Era rodeada de pessoas, até sorria, mas aquele vazio permanecia dentro de mim.

Sofri bullying durante 3 anos e isso me fez ter ódio das pessoas, eu já não era a mesma, já não ligava para mais nada. Aos 15 anos, comecei a frequentar lugares do centro de São Paulo, como encontros homossexuais no Ibirapuera, Augusta, Paulista, boates, sempre acompanhada de amizades “pesadas”. Amigos que pegavam as folhas da Bíblia para consumir maconha, bebiam à noite toda, cheiravam cocaína e ficavam xingando e blasfemando contra Deus, e eu, mesmo em meio aquela bagunça sentia um incômodo, por várias vezes chegava a pensar: “O que estou fazendo aqui? Por que estou fazendo isso”, pois eu acreditava em Deus e sabia que aquilo não era pra mim, porém quanto mais eu tentava, mais eu me afundava.

Fugi de casa, comecei a fumar e a beber todos os finais de semana, saía na sexta e só voltava no domingo ou na segunda. Envolvi-me com mulheres, achava que havia nascido assim, por ter tido experiência sexual com uma colega na infância. Falava palavrões, gírias, ouvia vozes, via vultos e encostos que vinham me sufocar durante a noite, já chamei até a polícia por pensar que tinha alguém invadindo minha casa.

Na vida sentimental não dava certo com ninguém, embora popular, não conseguia me realizar. Brigava com meus pais, nada dava certo, já estive à beira da morte diversas vezes. Já havia vivido tudo isso, e não aguentava mais aquela angústia e sofrimento.

Estava doente, tinha sopro no coração – os médicos disseram que eu não passaria dos 15 anos -, gastrite, praticamente não me alimentava direito há 1 mês, devido às dores. Já não dormia mais, porque tinha um vulto preto que me sufocava todas as noites, ficava acordada com medo, e durante o dia eu dormia.

Minha vida já não tinha mais sentido, uma voz me dizia que não tinha mais jeito, a vida financeira da minha família estava arruinada, ninguém acreditava em mim, eu não via ajuda, estava desesperada! Até que minha mãe, sem falar comigo, me mudou de escola, já que nessa escola eu quase fui enviada para a Vara da Infância e da Juventude, e me colocou numa escola do bairro, perto de casa e na frente da Universal, a princípio recusei, mas não vi outra saída e fui. Assim que cheguei sabia que seria rejeitada, e me surpreendi quando uns jovens vieram conversar comigo, fizemos amizades e eles me chamaram para o Força Jovem Universal. Começaram a contar como eles eram e aquilo me interessou, mas eu tinha medo do que meus amigos iriam pensar, como eu poderia chegar na igreja com aquela aparência? Todos iam me julgar! Resisti quase um mês, até que, no dia 17 de abril de 2011, eu fui.

Assim que pisei os pés na Universal, vi uma diferença. Todos me abraçaram, cuidaram de mim, eu não entendia muito o que eles falavam, mas eu queria estar perto, mudar de vida! E assim fui frequentando e vendo a diferença dia após dia… Conforme Deus foi transformando o meu interior, o meu exterior foi mudando, então, piercings, cabelos coloridos, vício no cigarro, bebida, ser bissexual, aquilo já não fazia mais sentido, renunciei TUDO! E Deus me honrou, entrei para o projeto VPR, comecei a passar minhas experiências para os jovens e ajudá-los, assim como eles me ajudaram. Cresceu um desejo dentro de mim de ganhar almas, de ajudar os sofridos e passar aquela felicidade, aquela paz que recebi.

Tinha o desejo de ser obreira e, depois de muitas lutas, Deus me ungiu para fazer a Obra dEle, e a cada dia cresce mais esse amor pelas pessoas. Hoje sou do FJU, alguém acreditou em mim e eu acredito nos jovens, sou completamente realizada espiritualmente, pois recebi o Espírito Santo, tenho um emprego abençoado, tenho paz em casa e o melhor de tudo: tenho a certeza da minha Salvação!

Amanda Kislley


reportar erro