Rede aleluia
Alguém acreditou em mim
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCaraguatatubaCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Bispo Macedo | 4 de Abril de 2015 - 05:58


Alguém acreditou em mim

Alguém acreditou em mim

Meu nome é Cleiton Souza, tenho 24 anos. Por muito tempo, eu tive uma vida dupla, uma que agradava meus pais e outra que se tornou a minha realidade.

Desde novo minha sexualidade sempre foi uma incógnita, algo que confundia muito a todos e até a mim mesmo, gostava de mulheres, mas os homens me atraíam. Com o passar do tempo fui aprendendo a distinguir as minhas preferências, tinha ciência do que queria, e minhas relações homoafetivas só aumentavam, quase sempre com homens mais velhos, que me davam tudo o que eu queria e nada me deixavam faltar. Porém, eram relações frustradas, pois eu gostava da pessoa, e ambos não podiam assumir, eu por medo dos meus pais e eles por, na maioria das vezes, serem casados.

Na companhia deles me sentia bem, mas quando eu chegava a minha casa me sentia sujo, imundo, entretanto, não conseguia parar. Com tantas decepções, a minha vida sentimental ia cada vez mais por água abaixo e a depressão só aumentava. Para tentar enxugar as lágrimas, comecei a frequentar boates gays, conhecer novas pessoas e com isso passei a beber, fumar e me prostituir com maior facilidade. Nessas baladas via homens transformados em mulheres e achava aquilo inspirador, mas não tinha coragem, ainda.

Comecei a gostar de uma pessoa desse tipo e, após alguns meses nos relacionando, decidimos assumir nosso relacionamento homoafetivo, nesse mesmo intervalo de tempo meus pais passavam por uma situação muito difícil. As brigas eram constantes entre eles e, devido àquele inferno, tomei a decisão de sair de casa e fui morar com esse rapaz.

No início era um mar de rosas, mas começamos a brigar bastante e, por fim, nos separamos. Desde então, me vi só, em completa solidão. Nada mais fazia sentido para mim, o sofrimento era notório em minha face e, para preencher o vazio que sentia, mudei radicalmente.

Assumi uma nova identidade, passei de Cleiton Souza para Lauanny Souza, me assumi mulher. Virei chacota entre meus amigos e familiares, vítima de maus tratos e zombaria. Mas não quis nem saber, quanto mais me apontavam mais eu me arrumava de maneira vulgar e saía para vários lugares com “amigos”.

Eu já conhecia o trabalho da Universal, inclusive era membro firme outrora, mas me deixei levar pelas armadilhas do mal e saí da presença de Deus. Eram tantas dúvidas que me cercavam, além dos maus olhos para com as coisas de Deus e com os pastores. Mesmo após todo aquele glamour de festas noturnas, prostituição, dinheiro, drogas, bebidas, eu me sentia angustiado. Vivia de aparência. Por dois longos anos tive problemas sérios de insônia e também ouvia vozes. Em umas dessas noites, sem conseguir dormir, decidi ouvir a rádio. O pastor chamava os ouvintes que estivessem afastados a voltar, foi ali que tomei minha decisão.

cleiton2Lembro-me que era período de Fogueira Santa, participei com o pedido de nascer novamente, de ser filho de Deus, pois só assim o extraordinário aconteceria na minha vida. Assim aconteceu, entreguei a minha vida no Altar de DEUS.

Hoje sou feliz, tenho paz, alegria, durmo tranquilamente bem, estou completamente transformado, meus pais me perdoaram, e hoje moro com eles, temos um lar abençoado. Sou uma nova criatura, com novo foco e objetivos. Hoje, a vontade de viver preenche as várias tentativas de suicídio.

Alguém acreditou em mim, hoje tenho força, faço parte da Força Jovem Universal, e estou disposto a ajudar outros que atualmente vivem como eu vivi, com a ideia de que só nascendo novamente para mudar.
Jesus transformou o meu ser, mudou o meu viver.
Eu sou um verdadeiro milagre.

Cleiton Souza


reportar erro