Rede aleluia
Qual o tipo de amor que não sustenta um relacionamento?
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Terapia do Amor | 13 de agosto de 2020 - 00:54


Qual o tipo de amor que não sustenta um relacionamento?

Este tipo de amor acaba, porém, o verdadeiro, não. Entenda

Qual o tipo de amor que não sustenta um relacionamento?

“O amor acabou” é o que muitos casais alegam ao terminarem um relacionamento. Na verdade, o “amor” que eles declaram ter acabado é o “amor romântico”, idealizado e vendido nos filmes, livros e também nas canções.
No entanto, este tipo de amor –  que é só um sentimento – não suporta as intempéries do dia a dia na vida de um casal.

Mas afinal, o que é o verdadeiro amor?

Em uma de suas epístolas, o apostolo Paulo define perfeitamente as características do que é o amor:

O amor é sofredor, é benigno; o amor não é invejoso; o amor não trata com leviandade, não se ensoberbece. Não se porta com indecência, não busca os seus interesses, não se irrita, não suspeita mal; Não folga com a injustiça, mas folga com a verdade; Tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta. O amor nunca falha. 1 Coríntios 13. 4-8

Mas se o amor é tudo isso, qual a razão de tantos casais justificarem como o motivo do término da relação o “fim do amor”?  No livro Casamento Blindado, o casal de autores Renato e Cristiane Cardoso destacam que a chave para um casamento feliz é fazer as coisas certas.

Leia também: Quem ama, trai? A resposta lhe surpreenderá

Os autores reforçam que quando o que é certo é feito em um relacionamento, “o casamento dá certo. O contrário também é verdadeiro: se fizer errado, dá errado.”

As leis do relacionamento

Renato explica que quando Deus criou o homem e a mulher estabeleceu certas leis que regulam esse relacionamento e que se respeitadas, consequentemente, geram felicidade na vida a dois.

“O que faz um relacionamento funcionar é a obediência a certas leis de convivência. As leis do relacionamento estabelecidas por Deus não são desconhecidas de ninguém. Coisas como perdoar, tratar o outro como também quer ser tratado, ter paciência, servir, ajudar, ouvir, não ser egoísta, falar a verdade, ser fiel, respeitar, ter bons olhos, tirar a trave do próprio olho primeiro, cuidar, agradar, etc., são básicas para que haja relacionamento. Isso é o que as pessoas sabem que têm que fazer, mas não fazem. Quebram essas leis, e colhem as consequências disso”, alerta.

Por isso, obedecer a essas leis protege a relação. E como os próprios autores enfatizam, “este poder está nas mãos do casal e é responsabilidade de ambas as partes.”

Faça o que é certo

Participar das palestras da Terapia do Amor, que acontecem todas as quintas-feiras, na Universal, também é fazer o certo pelo relacionamento. Nelas, casais e solteiros aprendem o amor inteligente.
No Templo de Salomão, as palestras acontecem às 10h, 15h e 20h. Elas, também, são realizadas em outras localidades. Clique aqui e encontre o endereço mais próximo de você.


Qual o tipo de amor que não sustenta um relacionamento?
  • Núbia Onara / Foto: Getty Images 


reportar erro