Rede aleluia
13 de fevereiro: O tom de voz no relacionamento
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCabo FrioCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta Redonda
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Terapia do Amor | 12 de fevereiro de 2020 - 13:14


13 de fevereiro: O tom de voz no relacionamento

13 de fevereiro: O tom de voz no relacionamento

“O sábio de coração será chamado prudente, e a doçura dos lábios aumentará o ensino.” Provérbios 16.21

Para um relacionamento, é imprescindível que haja respeito, tolerância e empatia. E o tom de voz diz muito sobre essas coisas.

A maneira de falar, os gestos e até a postura corporal falam mais do que qualquer palavra. E por não se atentarem a isso, muitas pessoas têm destruído seus relacionamentos.

Quem nunca ouviu do marido ou da esposa, frases do tipo: “fale direito comigo!”

Em contrapartida, sua resposta foi: “mas, eu não falei nada demais…”

Muitas vezes, o problema não é o que você fala, mas “como” você fala. O seu tom de voz, ao falar com o seu parceiro, é o que vai determinar a reação dele.

“Às vezes, o que você está pedindo é uma coisa justa, mas a forma que você fala é injusta”, observa Cristiane Cardoso.

Muitas pessoas não têm paciência para falar com o cônjuge, explode com facilidade e acaba respondendo de qualquer maneira. No entanto, no trabalho, mesmo quando estão estressadas e descontentes com alguma coisa são extremamente cautelosas ao falar com seus superiores.

Ou seja, se você é capaz de dominar suas emoções para manter o emprego, por que não pode fazer o mesmo para manter o seu casamento que é – ou deveria ser –  muito mais importante?

Falaremos mais a esse respeito nesta quinta-feira, 13 de fevereiro, na Terapia do Amor. Não falte!

Terapia do Amor acontece no Templo de Salomão e também em outras localidades. Encontre o endereço mais próximo de você em http://www.universal.org/enderecosTerapia/


13 de fevereiro: O tom de voz no relacionamento
  • Jeane Vidal / Foto: Getty Images 


reportar erro