Rede aleluia
POR QUE EU ERA MAIS PERDIDO QUE ADÃO NO DIA DAS MÃES NESTE ASSUNTO
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
Recife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão João da Boa VistaSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
BlumenauCriciúmaFlorianópolis

Renato Cardoso | 19 de Fevereiro de 2021 - 11:52


POR QUE EU ERA MAIS PERDIDO QUE ADÃO NO DIA DAS MÃES NESTE ASSUNTO

O que é Fé? A maneira mais fiel de ver se a pessoa realmente tem Fé é ver o que ela faz. O que você faz não mente. A Fé não é necessariamente o que você fala, sente ou o que sabe da Bíblia ou de qualquer religião. Se alguém lhe pergunta qual a sua religião e você diz que é católico, evangélico, espírita, budista, judeu, adventista, ou o que for, não importa. Trata-se apenas de rótulos. Não necessariamente mostra qual a Fé da pessoa. Eu dizia “sou católico”, porque, quando nasci, esse foi o rótulo que me foi dado. Quando eu ia à missa, o padre falava uma frase e tínhamos que responder com outra frase.

Eu me sentia mais perdido que Adão no Dia das Mães e não sabia como me comportar, porque eu era religioso e não praticava aquilo que eu professava. Veja: “Então falou Jesus à multidão, e aos seus discípulos, dizendo: Na cadeira de Moisés estão assentados os escribas e fariseus. Todas as coisas, pois, que vos disserem que observeis, observai-as e fazei-as; mas não procedais em conformidade com as suas obras, porque dizem e não fazem.” (Mateus 23.1-3).

Você percebeu qual era um dos pecados capitais dos religiosos na época de Jesus? Eles diziam, mas não faziam. Falavam, ensinavam, eram mestres naquilo que ensinavam, mas não faziam. Logo ganharam o título de hipócritas. A origem dessa palavra é o teatro. A pessoa hipócrita usa figurino, máscara, dramatiza um personagem. É muito comum um crente, um cristão, tomar conhecimento das Palavras, mas não praticá-las porque acha que só o conhecimento já é suficiente. O conhecimento dá uma sensação de poder, de superioridade. Só que conhecimento não é apenas teoria. Basta questionar: se você tivesse que fazer uma cirurgia cardíaca, escolheria um cirurgião com 30 anos de experiência ou um profissional recém-formado?

Não adianta ter só conhecimento, pois é a prática que mostra o que você sabe. Quando o assunto é a Fé, as pessoas se confundem ainda mais, porque dizem e não fazem: você diz que ama a Deus, mas não mostra; diz que Ele é o primeiro na sua vida, mas coloca mãe, filho, trabalho em primeiro lugar. Esse abismo entre o que você diz que crê e o que você faz explica a Fé sem resultado. O dia que você alinhar suas palavras com suas obras e vice-versa, sua Fé vai ser real, então, Deus também será real na sua vida. Não interessa qual religião ou denominação você frequenta. Mostre-me o que você faz que eu mostro a você sua Fé.


reportar erro