Rede aleluia
Índios assistem ao filme “Nada a Perder 2”, no Maranhão
São Paulo
Centro-Oeste
Distrito Federal
Brasília
Goiás
AnápolisGoiânia
Mato Grosso
Cuiabá
Mato Grosso do Sul
Campo Grande
Nordeste
Alagoas
Maceió
Bahia
Feira de SantanaIlhéusItabunaSalvador
Ceará
Fortaleza
Maranhão
São Luís
Paraíba
João Pessoa
Pernambuco
GaranhunsRecife
Piauí
Teresina
Rio Grande do Norte
Natal
Sergipe
Aracaju
Norte
Acre
Rio Branco
Amapá
Macapá
Amazonas
Manaus
Pará
Belém
Rondônia
Porto Velho
Roraima
Boa Vista
Tocantins
Palmas
Sudeste
Espírito Santo
Vitória
Minas Gerais
Belo HorizonteJuiz de ForaUberlândia
Rio de Janeiro
Angra dos ReisBarra MansaCampos dos GoytacazesMacaéRio de JaneiroVolta RedondaCabo Frio
São Paulo
AraçatubaAraraquaraBauruCampinasCaraguatatubaCatanduvaFrancaJaúJundiaíLimeiraMaríliaPiracicabaPraia GrandePresidente PrudenteRibeirão PretoSantosSão CarlosSão José do Rio PretoSão José dos CamposSão PauloSorocabaTaubatéVotuporanga
Sul
Paraná
CascavelCuritibaFoz do IguaçuLondrinaMaringáPonta Grossa
Rio Grande do Sul
PelotasPorto AlegreRio GrandeSanta Maria
Santa Catarina
Baln. CamboriúBlumenauCriciúmaFlorianópolis

Notícias | 22 de Agosto de 2019 - 10:33


Índios assistem ao filme “Nada a Perder 2”, no Maranhão

Muitos integrantes das aldeias Kumaru e Boa Esperança foram ao cinema pela primeira vez

Índios assistem ao filme “Nada a Perder 2”, no Maranhão

Ir ao shopping ou cinema é algo comum para muita gente, especialmente aos que moram na área urbana. Mas, para algumas pessoas, acostumadas com o ambiente rural, por exemplo, pode ser uma grande aventura. Foi o caso dos 40 índios das aldeias Kumaru e Boa Esperança que, recentemente, assistiram ao filme “Nada a Perder 2”.

Eles foram levados por integrantes da Universal de Grajaú, município do estado do Maranhão, até Imperatriz. Muitos, pela primeira vez, saíram da aldeia.

“Todos se pintaram, algo feito só em momentos de festa. Muitos nunca tinham saído da aldeia, visto uma tela de cinema ou entrado em um shopping. Foi preciso até desligar a escada rolante, pois eles ficaram com medo”, conta o Pastor Eliseu Becker.

Inspiração

Alguns dos índios já frequentam a igreja e sentiram-se privilegiados em conhecer mais da história do Bispo Edir Macedo, a quem chamam de “Chefe Branco”.

“Muito deles têm o pastor como guia espiritual, pois são discriminados e humilhados por outros brancos. Também passam necessidades e são enganados sobre seus direitos. Eles têm a igreja e o pastor como amigos”, fala o Pastor.

O filme foi uma verdadeira inspiração e incentivo para que eles creiam que podem alcançar seus objetivos. “Aprendi a nunca desistir, a ter coragem para realizar meus sonhos e a nunca olhar para trás. Mesmo sendo humilhado, desprezado pela sociedade, aprendi a ser forte como Tutchau Macedo (Bispo Macedo)”, disse João Mairata Guajajara, de 84 anos, Cacique da Aldeia Kumaru.

Ele acrescentou que todos acharam o filme katu-arry (bom demais na língua Guajajara).

Apoio social

Além do auxílio espiritual, os índios Guajajara também recebem ajuda social dos voluntários da Igreja que levam doações de roupas e brinquedos para as crianças.


Índios assistem ao filme “Nada a Perder 2”, no Maranhão
  • Rafaella Rizzo / Fotos: Cedidas 


reportar erro